Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Bombeiros acreditam que corpos estão presos no barco

Três ou quatro pessoas ainda estão desaparecidas, segundo o órgão

Por Luciana Marques 24 Maio 2011, 13h10

O Corpo de Bombeiros afirmou nesta terça-feira acreditar que alguns corpos de desaparecidos após acidente no Lago Paranoá, em Brasília, estejam presos no barco que afundou. Há muitos materiais ainda no barco como cadeiras, móveis, freezer, que atrapalham a visibilidade e dificultam a busca pelas vítimas. Três ou quatro pessoas ainda estão desaparecidas.

“Pessoas podem ter sido prensadas por objetos no momento do naufrágio. Estamos retirando o material, mas é um trabalho demorado porque a instabilidade da embarcação pode aumentar”, disse o comandante do grupamento de buscas e salvamento, Marco Negrão.

O comandante disse ainda que o barco só deve ser içado após uma vistoria mais detalhada em todo o local ao redor da embarcação, na tentativa de encontrar corpos.

Cadeiras e objetos do barco foram encontrados há 150 metros de distância da embarcação, que se localiza a 17 metros de profundidade. As buscas também foram intensificadas no local e dois corpos foram encontrados na manhã desta terça-feira. “Provavelmente o barco começou a afundar há 150 metros de onde se encontra hoje”, disse Negrão.

O trabalho de 35 mergulhadores dos bombeiros deve seguir até as 18 horas desta terça-feira e retomado na quarta.

Perícia – Dois peritos da Marinha do Rio de Janeiro chegaram a Brasília para tentar descobrir as causas do acidente. “São duas pessoas especializadas para realizar esse tipo de trabalho com relação ao afundamento de embarcações”, afirmou o comandante Rogério Leite. Entre os motivos suspeitos estão superlotação e uma rachadura em um flutuantes localizado embaixo do barco.

Segundo Leite, a Marinha disponibilizou um padre para dar apoio aos familiares das vítimas.

Continua após a publicidade

Publicidade