Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bolsonaro inaugura última turbina e finaliza entrega de Belo Monte

Com funcionamento completo, usina hidrelétrica no Pará tem a quarta maior capacidade do mundo

O presidente Jair Bolsonaro inaugurou, nesta quarta-feira 27, ao lado da primeira-dama Michelle, a última turbina da Usina Hidrelétrica (UHE) de Belo Monte, em Vitória do Xingu no Pará, que passa a operar dentro da maior capacidade instalada de todas as UHEs nacionais, com 11 GW e 18 turbinas.

O presidente não fez pronunciamento na ocasião. Ao final da cerimônia, Bolsonaro fez o acionamento simbólico das unidades geradoras de Belo Monte. Também participaram da cerimônia o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e o presidente da Caixa, Pedro Guimarães.

A represa sobre o rio Xingu, no estado do Pará, custou cerca de 40 bilhões de reais e a partir de agora dispõe de uma capacidade instalada de 11.233 Megawatts, superada apenas pelas represas chinesas de Tres Gargantas e Xiluodu, e Itaipu.

Acompanhado da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, de seu ministro da Energia e autoridades locais, Bolsonaro inaugurou uma placa comemorativa e apertou um botão para acionar simbolicamente as turbinas da hidrelétrica.

“A conclusão dessa obra concebida na década de 70 é marco histórico sim para o nosso país”, afirmou o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque.

“Belo Monte vai gerar energia para atender 18 milhões de residências ou 60 milhões de brasileiros, o que equivale à população da Itália”, destacou na semana passada o diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone, ao autorizar o início dos trabalhos da última turbina pela administradora estatal Norte Energia.

Embora o projeto tenha sido concebido durante a ditadura militar (1964-1975), a licitação das obras foi lançada em 2010, no último ano de mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

As primeiras turbinas começaram a funcionar em 2016, com sua sucessora Dilma Rousseff, também do Partido dos Trabalhadores (PT), sob fortes críticas de populações deslocadas, comunidades indígenas e grupos ambientalistas.

(Com Estadão Conteúdo e Reuters)