Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

BEA revelará as ‘circunstâncias exatas’ que causaram o acidente da Air France

Por Ho 28 jul 2011, 08h45

O Escritório de Investigações e Análise (BEA), órgão oficial francês encarregado das investigações do acidente do voo Rio-Paris que em junho de 2009 caiu no Oceno Atlântico matando as 228 pessoas a bordo, revelerá nesta sexta-feira as “circunstâncias exatas” do acidente, informaram fontes da BEA.

Este terceiro relatório apresentado pela BEA trará ainda “os primeiros pontos analisados e novos fatos esclarecidos” após a investigação dos dados contidos nas duas caixas-pretas e gravadores do voo AF 447 do Airbus A300 da Air france, disseram as fontes.

Até agora a BEA considera que um defeito nos sensores de velocidade Pitot foi uma das causas do acidente, mas o órgão sempre ressaltou que a explicação definitiva só seria conhecida quando fossem recuperadas as caixas-pretas.

Acredita-se que o mau funcionamento dos sensores não explicaria por si só o acidente.

As duas caixas-pretas – que registraram os parâmetros do voo e as conversas na cabine dos pilotos – foram resgatadas do fundo do mar no início de maio, após passarem 23 meses a 3,9 mil metros de profundidade no Oceano Atlântico.

Na véspera do anúncio deste novo relatório, a associação “Entraide et Solidarité AF447” (Ajuda Mútua e Solidariedade AF447, numa tradução livre), conidera “inaceitável” a acusação aos pilotos do voo e espera que o documento permita compreender suas reações antes do acidente, disse à AFP Robert Soulas, presidente da entidade.

Continua após a publicidade

“Queremos a verdade. Queremos detalhes técnicos sobre os últimos três minutos do voo para termos uma ideia das reações dos pilotos”, afirmou Soulas.

Em 27 de maio, a BEA divulgou um relatório, mas para Soulas a informação dada foi “muito pequena”.

“Com base nas informações fornecidas, acreditamos que as acusações contra os pilotos são inaceitáveis. Eles já não mais estão aqui para poderem se defender, é fácil acusá-los. Precisamos de provas concretas”, criticou Soulas, que representa as famílias de 60 vítimas.

Soulas lembrou que a operação de retirada dos corpos do fundo do mar já foi concluída e que “esperamos para outubro os primeiros resultados das identificações”.

Cinquenta corpos foram resgatados logo após o acidente. Outros 104 cadáveres chegaram à França em meados de junho este ano.

Entre as vítimas de 32 nacionalidades, estão 59 brasileiros e 72 franceses.

Após o acidente, a Justiça francesa abriu um inquérito. O fabricante europeu de aviões Airbus e a Air France foram acusados de homicídio culposo.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês