Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Azeredo é condenado. Mas uma coisa é uma coisa…

Ex-presidente do PSDB recebe pena de 20 anos de prisão no caso indevidamente apelidado de “mensalão tucano”

Por Da Redação
19 dez 2015, 20h56

Ficou conhecido como “mensalão tucano” o caso pelo qual o ex-­governador de Minas Gerais Eduardo Azeredo foi condenado na semana passada a vinte anos de prisão. O nome, um contraponto ao mensalão maior, se justifica por um motivo. Nesses dois escândalos, o operador principal era o mesmo, o publicitário Marcos Valério. Ele usava suas agências para fechar contratos fictícios com órgãos de governo e repassar o dinheiro recebido a políticos. No caso de Azeredo, a acusação é que estatais mineiras assinavam acordos de fachada para que empresas de Valério organizassem e divulgassem eventos esportivos por elas patrocinados – o dinheiro recebido pelos serviços não prestados teriam abastecido a campanha de reeleição do ex-governador e ex-presidente do PSDB em 1998. Por operar esquema semelhante para o PT, Valério foi condenado a 37 anos de prisão.

E terminam aí as coincidências entre os mensalões.

Em Minas Gerais, o desvio de verbas públicas, segundo a acusação, serviu unicamente para abastecer o caixa dois de uma campanha estadual derrotada. Não havia nada parecido com um “mensalão” propriamente dito – a expressão celebrizada por Roberto Jefferson definia a mesada que o governo Lula pagava a dezenas de congressistas em troca de apoio em votações.

Os valores envolvidos nos dois casos também não guardam semelhança. Em Minas, o desvio comprovado foi de 3,5 milhões de reais. No mensalão, os cofres públicos foram assaltados em 170 milhões de reais – o que fez dele o maior escândalo de corrupção da história do país, título perdido apenas com o surgimento do petrolão e suas cifras biliardárias. Outra diferença fundamental: o mensalão teve 38 réus e 25 condenados pelo Supremo Tribunal Federal. O caso de Azeredo tem dez réus, nenhum deles com condenação definitiva.

Continua após a publicidade

O ex-governador renunciou ao mandato de deputado federal no ano passado. Com isso, deixou de ter foro privilegiado e conseguiu fazer com que seu processo voltasse à primeira instância, em que há mais chances de recurso. O tucano completa 70 anos em 2018, e assim os prazos para a prescrição dos crimes pelos quais foi condenado caem à metade, o que deve beneficiá-lo. Dois envolvidos no caso já se valeram da prescrição por idade antes mesmo de serem julgados e escaparam: Cláudio Mourão, que foi o tesoureiro da campanha, e Walfrido Mares Guia, coordenador da campanha e ex-ministro de Lula, ambos com mais de 70 anos. Azeredo, hoje diretor da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais, nega as acusações e diz que vai recorrer da sentença.

(Da redação)

Compre a edição desta semana no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no iba clube.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.