Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Associação de juízes condena vandalismo no prédio de Cármen Lúcia

Anamatra afirma que não é razoável que um magistrado 'veja-se constrangido e punido' por suas decisões judiciais

Por Da Redação 6 abr 2018, 21h03

A Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) divulgou manifestação depois que os militantes do PT jogaram tinta vermelha no edifício em que a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, mantém um apartamento em Belo Horizonte.

Assinada pelo presidente Guilherme Guimarães Feliciano, a nota afirma que “não é absolutamente razoável que um magistrado, desde a primeira instância do Judiciário até a Suprema Corte brasileira, veja-se constrangido, punido ou de algum modo violado pelo conteúdo das suas decisões, quando prolatadas no bojo de processos judiciais”.

A nota cita ainda a Assembleia Geral da Nações Unidas, que, “em declaração de princípios, a imunidade judiciária e a independência do juiz, protegido contra quaisquer atos de intimidação ou de retaliação, é uma garantia não dele próprio, juiz, mas dos cidadãos que dele esperam serenidade e desassombro. É preciso que todos – sociedade civil, comunidade política e autoridades constituídas – compreendam este singelo e imprescindível fundamento”.

A ação ocorreu por volta das 16h30 desta sexta-feira, 6, e durou pouco mais de dez minutos, assustando quem passava na rua, vizinhos e, principalmente, moradores do edifício.

O voto da ministra, que preside o STF, foi decisivo para negar a Lula um habeas corpus preventivo, o que culminou no decreto de prisão do petista pelo juiz Sergio Moro. Cármem Lúcia não estava no apartamento na hora do ato de vandalismo. 

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) assumiu a autoria do ato e disse que planejou a ação assim que a ministra deu o voto minerva para negar habeas corpus ao petista em julgamento no STF. Testemunhas relatam que havia bandeiras do PT e da Central Única dos Trabalhadores (CUT). Havia cerca de 400 militantes.

Leia a nota na íntegra:

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês