Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Assessor pediu jato a ex-senador para viagem de Dirceu

Gravações da PF mostram que Dirceu e Miranda marcaram pelo menos duas reuniões e que um assessor pediu emprestado jato para petista voar até a Bahia

A Operação Porto Seguro revelou que o ex-ministro José Dirceu (Casa Civil) mantém relação próxima com o empresário e ex-senador Gilberto Miranda – denunciado por corrupção ativa e apontado como principal beneficiário do esquema de compra de pareceres técnicos em órgãos federais.

Telefonemas gravados pela Polícia Federal (PF), em novembro de 2012, mostram que Dirceu e Miranda marcaram pelo menos duas reuniões às vésperas da deflagração da operação, e que um assessor do petista chegou a pedir emprestado um jato particular do ex-senador para voar até a Bahia no feriado da República – viagem que Dirceu fez com a namorada e com Rosemary de Noronha, ex-chefe de gabinete da Presidência em São Paulo. O conteúdo das gravações foi publicado nesta segunda-feira pelo jornal O Estado de S. Paulo.

A voz do ex-ministro do governo Lula não aparece nos áudios. Ele não era alvo da operação policial, mas Miranda estava sob vigilância permanente.

Em uma ligação gravada três semanas depois que Dirceu foi condenado no julgamento do mensalão, seu auxiliar diz que o petista se recusava a desembarcar no Aeroporto Santos Dumont, no Rio, em horários de grande movimento. “Correr risco agora é besteira, né?”, recomenda Miranda ao assessor.

Os 25.012 telefonemas gravados pela PF no decorrer da Porto Seguro detalham a intimidade com o poder mantida por Miranda e outros integrantes do grupo. Eram frequentes os diálogos com deputados, senadores, governadores, prefeitos e diretores de órgãos técnicos. Foi com a ajuda de algumas dessas autoridades que Miranda conseguiu benefícios para empreendimentos de suas empresas, como a construção de um porto privado na Ilha de Bagres, em Santos, litoral paulista.

Interesses em comum – A PF não envolve Dirceu com os negócios sob suspeita de Miranda. Mas as ligações interceptadas a partir de um grampo no telefone do ex-senador revelam que os dois tinham interesses em comum e uma relação que permitia ao petista pedir até empréstimo de um avião particular.

As escutas mostram que Dirceu e Miranda tiveram um encontro no início da tarde de 8 de novembro. O assessor do petista telefona para a secretária do empresário às 11h59 para avisar que ele se atrasaria porque havia sido convocado para uma “reunião de urgência”.

“Eu só queria te pedir o seguinte: é que o Zé foi chamado para uma reunião de urgência, então a Evanise, a companheira dele, vai chegar um pouco antes no horário combinado e ele, se atrasar. Ele chega uns minutos depois. Você pode avisar o Gilberto?”, pede o auxiliar de Dirceu.

No dia seguinte, o assessor de Dirceu começa a articular com o ex-senador reunião para 19 de novembro entre a dupla e Saulo Ramos, ministro da Justiça na presidência de José Sarney – a quem Miranda é ligado. O avião de Miranda buscaria Dirceu no litoral da Bahia para levá-lo ao encontro, em São Paulo, e depois seguiria para Brasília.

“A princípio estava marcado com o ministro (Saulo Ramos) dia 19, às 16h, mas isso daí eu vou falar com ele agora, pra ver até a parte da tarde. Isso daí eu te confirmo”, diz Miranda. A reunião acabou cancelada, dias depois.

Leia também:

PF adiou operação ao descobrir elo de quadrilha com Rosemary

Ex-chefe de agência ajudou grupo ligado a Sarney

No mesmo telefonema, o assessor de Dirceu pede informações sobre um helicóptero do empresário que levaria o petista ao Rio. Os dois temem que o mau tempo obrigue a aeronave a pousar no movimentado Aeroporto Santos Dumont, no meio da tarde. “O Zé não estava querendo descer lá no Santos Dumont, entende?”, diz Miranda. “Qualquer coisa pego um avião, saio daqui no domingo, quinze para as nove da noite, chego em Santos Dumont mais vazio, entendeu?”, sugere o auxiliar do petista.

O assessor telefona mais uma vez para Miranda, em 14 de novembro, às 14h20, para pedir um favor ao ex-senador. “É só uma consulta, não é oficial. O Zé tava indo viajar para a Bahia hoje e acabaram de ligar, que o King (jato executivo) deu uma pane elétrica, que iam emprestar para ele… Por acaso o teu está por aqui e poderia levá-lo, ou não?”, pergunta o assessor. “O meu está, mas eu estou sem piloto. Eu, como não ia viajar… Eu dei folga para eles”, responde Miranda. Apesar da recusa, Dirceu foi à Bahia, na praia de Camaçari, com a namorada e Rose.

Os criminalistas José Luís Oliveira Lima e Rodrigo Dalla�Acqua, que defendem Dirceu, responderam que o ex-ministro “não mantém nenhum relacionamento profissional com o sr. Gilberto Miranda, bem como não utilizou nenhum meio de transporte de propriedade do mesmo”.

Eles destacaram: “A reunião com o sr. Saulo Ramos, como evidenciam as próprias gravações�, acabou não se realizando.”O advogado Cláudio Pimentel, defensor de Miranda, disse que ele não vai se manifestar pela imprensa, mas nos autos judiciais.

(Com Estadão Conteúdo)