Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Assassino do cartunista Glauco é ouvido em audiência

Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, o Cadu, responde por duplo latrocínio, receptação e porte ilegal de arma de fogo

Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, o Cadu, réu confesso do cartunista Clauco Vilas Boas,disparou frases sem nexo e até pediu que sua futura pena seja ampliada numa tentativa de forçar um novo laudo psiquiátríco nesta terça-feira, durante audiência no Tribunal de Justiça de Goiânia (GO). A manobra irritou o Ministério Público, que defendeu a reprovação do exame – na prática, uma tentativa de cumprir a pena num hospital psiquiátrico e não em presídio comum.

O objetivo da audiência era tentar sanar algumas dúvidas antes da sentença, que sairá em dez dias. No entanto, durante o interrogatório, Cadu disse que não se lembra de ter cometido os crimes, apenas que teria dirigido o carro de uma das vítimas. Irônico, ele confrontou os promotores: “Me condenem a 30 anos, porque dez é pouco”.

O criminoso ainda disparou frases como “Eu morei com o Gasparzinho”, “Meu pai é o Cebolinha” e “Foi Chico Xavier quem escreveu uma carta em meu nome”.

Prisão – Cadu foi preso no Distrito Federal em setembro do ano passado após matar dois homens e roubar seus carros. Ele é acusado de duplo latrocínio – roubo seguido de morte -, receptação e porte ilegal de arma. Um ano antes do crime, a Justiça autorizou que ele deixasse a clínica psiquiátrica na qual foi internado após confessar ter matado o cartunista Glauco e seu filho, Raoni Vilas Boas, em 2010.

Leia também:

Justiça decreta prisão preventiva de assassino de Glauco

Suspeito de matar cartunista Glauco é identificado pela polícia