Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Assassinatos caem 10%, enquanto letalidade policial aumenta 20% no Brasil

Roraima é o estado mais violento, enquanto São Paulo apresenta a menor taxa de homicídios, segundo Fórum Brasileiro de Segurança Pública

Por Eduardo Gonçalves Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 10 set 2019, 15h29 - Publicado em 10 set 2019, 10h12

O país registrou 57.341 mortes violentas em 2018. São quase 157 assassinatos por dia, ou seis por hora. É o que mostra o Anuário da Violência divulgado nesta terça-feira 10 pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP).

O número é alto e coloca o país no ranking dos mais violentos do mundo, mas também representa uma queda de 10,2% em relação a 2017, que bateu o recorde da série histórica com 63.880 mortes computadas.

O Anuário contabiliza como mortes violentas  a quantidade de homicídios dolosos, latrocínios, lesões corporais seguida de morte, assassinatos de policiais e mortes decorrentes de intervenções policiais. O estudo compila os números oficiais das Secretarias de Segurança Pública dos 27 estados brasileiros.

O estado mais violento é Roraima, com uma taxa de 66,6 mortes violentas a cada 100.000 habitantes; seguido por Amapá, com 57,9, e Rio Grande do Norte, com 55,4. Para se ter uma ideia, a média nacional ficou em 27,5. Já entre os estados com a menor taxa de assassinatos figuram São Paulo, com 9,5; Santa Catarina, 13,3; e Minas Gerais, 15,4.

Estudiosos da área de segurança pública explicam que a queda no número de homicídios ocorreu em boa parte por causa do arrefecimento na guerra pelo controle do tráfico de drogas entre facções criminosas, que se deflagrou em 2016 e atingiu o auge em 2017.  “Não é a única causa, mas é claro que a diminuição do conflito genérico entre PCC e Comando Vermelho influenciou nos índices”, avaliou Guaracy Mingardi, ex-secretário de Segurança Pública de Guarulhos e ex-investigador da Polícia Civil.

Para o sociólogo Tulio Kahn, ex-coordenador de Análise e Planejamento da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, os dados também são reflexo da melhora no desempenho da economia brasileira, que viveu o auge da crise entre 2014 e 2016; e da menor circulação de armas entre a população, fruto dos desdobramentos do Estatuto do Desarmamento.

“A criminalidade costuma sentir os efeitos da crise econômica antes. Uma menor recessão econômica diminui os crimes contra o patrimônio, que diminui a sensação de insegurança, que diminui os confrontos e, por sua vez, diminui o número de homicídios”, avaliou ele.

Por outro lado, a violência policial aumentou em 19,6% de 2017 para 2018. No ano passado, 6.220 pessoas foram mortas por policiais militares e civis em serviço ou de folga. Em 2017, foram 5179.

Continua após a publicidade

O perfil das vítimas de policiais repete o mesmo padrão dos anos anteriores – a maioria é negra (75,4%), só estudou até o ensino fundamental (81,5%), são homens (99,3%) e tem entre 20 e 24 anos (33,6%). “Não é surpresa nenhuma que há racismo no Brasil, um racismo enraizado nas instituições”, disse Daniel Cerqueira, coordenador do Atlas da Violência produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

 

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.