Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Após 56 mortes, governo do AM diz não ter cogitado invasão

Segundo o secretário de Segurança Pública do Amazonas, Sérgio Fontes, as consequências se tornariam imprevisíveis

O secretário de Segurança Pública do Amazonas, Sérgio Fontes, afirmou na manhã desta segunda-feira que a gestão da rebelião que terminou com pelo menos 56 mortos* em Manaus “foi a única possível”. Ele lamentou o número elevado de mortes, mas disse que “muitas vidas foram poupadas”.

A rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, iniciada neste domingo, durou mais de dezessete horas e deixou ao menos 60 presos mortos, segundo informações do governo do Amazonas. Muitos dos detentos foram decapitados e esquartejados. A situação foi contornada na manhã desta segunda-feira. O número de mortos, porém, já configura a maior matança em presídios do país desde o massacre do Carandiru.

“A invasão do presídio não era viável. As consequências seriam imprevisíveis”, disse ele. Segundo o secretário, a postura de negociação fez com que muitos tivessem “as suas vidas preservadas”. Além dos doze funcionários, outros 74 presos foram feitos reféns, vários deles amarrados nas grades.

Veja também

O governo do Amazonas vai alugar um contêiner frigorífico para que os corpos possam ser preservados até a necrópsia. “Vamos tentar fazer o trabalho da maneira mais rápida possível para que possamos entregá-los para as respectivas famílias”, afirmou Fontes.

Ele disse que durante a tarde terá uma reunião com o governador José Melo de Oliveira (Pros) para definir a estratégia a ser tomada após a rebelião. Mais cedo, o governador falou por telefone com o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes.

O Ministério da Justiça ofereceu vagas para eventuais transferências para presídios federais e o envio da Força Nacional de Segurança ao Estado. O governador disse que vai utilizar os mais de 44 milhões de reais que o Fundo Penitenciário Nacional enviou ao Fundo Penitenciário do Amazonas na última quinta-feira.

O secretário confirmou que pelo menos 87 presos fugiram do Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat). No Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), o número ainda é desconhecido. Será feita uma contagem nesta tarde para saber quantos detentos conseguiram escapar.

Facções

Os presídios estão localizados no quilômetro 8 da BR 174 (que liga Manaus a Boa Vista) e foram tomados por bandidos que integram a Família do Norte (FDN), a maior facção na Região Norte do país. Cerca de 300 detentos teriam conseguido fugir e, até o fim da noite, quinze haviam sido recapturados.

Dentro das cadeias, no entanto, a FDN iniciou o ataque aos rivais do Primeiro Comando da Capital (PCC). Em outubro, pelo menos 25 morreram em rebeliões em Rondônia, Roraima e Acre nesta disputa de controle. A guerra foi um dos motivos que fizeram o PCC paulista (maior facção do país) rachar com o Comando Vermelho, que se aliou à FDN.

Em vídeos que circulam entre policiais, há uma cena em que detentos enfileiram cinco cabeças decapitadas e e as identificam por nomes que seriam membros do PCC. Houve confronto com a PM quando policiais tentaram retomar o controle do Compaj. Uma dezena de funcionários foi feita refém. Todos foram liberados na manhã esta segunda-feira.

Matanças

O número de mortes no presídio de Manaus já é o maior em presídios do país desde o massacre do Carandiru, em 1992, em São Paulo, quando uma ação policial deixou 111 presos mortos na casa de detenção. Desde então, há outras tragédias no sistema carcerário nacional, como a rebelião em 2004 na Casa de Custódia do RJ, quando morreram 31 pessoas e o motim no presídio de Urso branco (RO), que deixou 27 mortos em 2002. Houve ainda a rebelião no Complexo Penitenciário de Pedrinhas (MA) em 2010, com 18 mortos.

*A Secretaria de Segurança Pública do Amazonas divulgou uma revisão no início da noite desta segunda do número total de mortos no massacre do presídio em Manaus. Segundo o órgão, foram 56 mortes, e não 60, como havia sido informado no final da manhã.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Marcelo Marchi

    Só 60, uma pena, poderia ter sido mais!!!

    Curtir

  2. Heberty Bezerra Leal

    Entre eles e os cidadãos de bem, prefiro eles. Fez bem em não terem entrado na bagunça deles.

    Curtir

  3. housekeeping

    barbárie, horror, inferno, desgraça, tragédia, analfabetismo, casais animais continuam copulando e produzindo, mata 60 repõe 600, animal não aceita chupá bala com papel e nem dá marcha a ré, cada dia mais animais, pobre desgraçado gosta de procriá, colocá ser humano no mundo pra sofrê, pra patrão escolhê e pagá pôco, nasceu joga num canto, cresceu um poquinho, barrigudinho vai pra rua, pé descalço no cão de terra, quem manda não qué nem sabê não qué controlá, porque será, MOB, mais MOB, quanto mais melhor pra escolhê e pagá poco, pra humilhá na seleção das empresas. Que mais vc qué?

    Curtir

  4. Carlos Marques

    “Muitas vidas fotam poupadas”… O ano mal comecou e já temos a frase mais imbecil do ano…

    Curtir

  5. Carlos Marques

    Pelo menis tenha a decencia de se exonerar, incompetente dos infernos…

    Curtir

  6. Itacir Rimoldi

    só 60 tinhao que se mata tudo

    Curtir

  7. Carlos Marques

    Omisso e incompetente…E como um bombeiro que observa inerte um predio se consumir nas chamas con as vitimas gritando e pedindo socorro.In -com-pe-ten-te!!

    Curtir

  8. Carlos Marques

    Qual a função desta anta incompetente? Passear de carro oficial? Tomar uisquinho com o Governador?

    Curtir

  9. Eram todos gente boa os que morreram, estupradores, homicidas, pedófilos etc………

    Curtir

  10. Micky Oliver

    MORRERAM POUCOS! O BRASIL PRECISA DE 250 MIL NOVAS VAGAS PARA ESSES VAGABUNDOS! POR MIM, BASTAVA AUMENTAR A VAGA NOS CREMATÓRIOS!

    Curtir