Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Apoiadores de Lula prometem ficar acampados por meses

Grupos de apoio ao ex-presidente, que estão acampados próximos ao prédio da PF, afirmam que estão preparados para resistir até que Lula seja libertado

Por Estadão Conteúdo 14 abr 2018, 21h27

Os grupos de apoio ao ex-presidente Lula, que estão acampados próximos ao prédio da Polícia federal de Curitiba, afirmam que estão preparados para resistir meses no acampamento até que Lula seja libertado. Nem mesmo a decisão judicial de multar em R$ 500 mil por dia as entidades responsáveis pela manifestação abalou a determinação do grupo.

O acampamento, que hoje conta com cerca de 500 pessoas, está sendo organizado pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), entidades estudantis e de outras categorias. A organização está sendo suficiente para garantir o relativo conforto dos participantes.

“Nossa comida é suficiente para garantir as pessoas por pelo menos mais três meses. São doações de todo o Brasil que chegam a todo o momento”, afirma Madalena Cavalheiros, do MST de Quedas do Iguaçu, responsável por uma das cozinhas que funcionam no acampamento e serve cerca de 150 refeições diárias.

A organização também programou atividades para manter a atenção e a mobilização dos acampados. Cantores, grupos musicais, repentistas e contadores de histórias se revezam no espaço reservado para as apresentações. Em outro ponto são realizadas conferências online com integrantes do partido.

A maior preocupação da Prefeitura de Curitiba são os transtornos que o acampamento estaria causando aos moradores da região. Os próprios moradores se dividem. Parte proibiu que o grupo acampasse em frente à sua casa e vê a presença dos manifestantes com desconfiança. “Quebra a rotina da gente, mas só atrapalha mesmo quando há um excesso de barulho. Só torço para que acabe logo”, diz Catarina Muller, que está com a frente da casa liberada e fornece café para os policiais que fazem a patrulha na região.

Continua após a publicidade

Outra parte se integrou ao movimento e colaboram com os acampados, com energia elétrica e uso dos banheiros. Outros ainda aproveitam para ganhar algum dinheiro vendendo serviços ou comida. É o caso do ambulante Joãozinho da Cocada, que mora na região e já foi candidato a vereador pelo PT. “Mudei meu ponto do centro da cidade para cá, para atender os companheiros”, afirma.

Mesmo a chuva e a queda da temperatura que atingiu Curitiba neste sábado (14), não alterou a rotina do acampamento. “Os companheiros de Curitiba estão solidários com o pessoal que veio para a manifestação. E mesmo boa parte dos moradores já entendeu nossa razão. Vamos ficar até que o presidente Lula seja libertado”, afirmou a senadora Gleisi Hoffmann, presidente do PT.

Ela visitou aos acampados no começo da noite deste sábado, mas sem fazer discursos. Gleisi fez fotos e conversou com os acampados.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.