Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ao lado de artistas, Marina promete elevar verba da cultura

A candidata do PSB recebeu nesta segunda-feira demandas do meio artístico e se comprometeu, sem especificar porcentual, a elevar os repasses para o setor

A candidata à Presidência da República pelo PSB, Marina Silva, se reuniu nesta segunda-feira com representantes de vinte grupos de artistas em São Paulo. Durante o evento, foram apresentadas propostas à presidenciável, com pedidos para o setor cultural. Marina, que foi a última a falar, evitou comentar especificamente sobre cada uma das demandas, mas se comprometeu a elevar ‘progressivamente’ os recursos para a cultura, caso seja eleita, mas sem dizer qual o porcentual. O pedido do meio artístico é de que o governo federal destine 2% da Receita para o setor. “O debate sobre a valorização da cultura está nesse programa. Não apenas a valorização política do discurso e simbólica, mas de como vamos ampliar os recursos para a cultura”, disse.

Entre os presentes estavam o cineasta Fernando Meirelles, o músico Dinho Ouro Preto, da banda Capital Inicial e o rapper Xis. No salão onde o encontro foi realizado, um telão exibia vídeos de outros artistas que declararam apoio à presidenciável, como os cantores Caetano Veloso e Adriana Calcanhoto. Como de costume, a candidata fez conexões de assuntos aparentemente sem ligação, dessa vez entre arte e política. “A arte tem o poder de antecipar aquilo que muitas vezes a política só é capaz de fazê-lo depois e a ciência de realizá-lo num tempo mais adiante ainda”, disse.

Leia também:

Aécio: Marina é “outro tipo de PT”

Ato ‘apartidário’ no Rio tem palanque para Lula e defesa da Petrobras

A ex-ministra, que estava rouca após uma agenda intensa de campanha no Nordeste, fez um discurso bem-humorado e lembrou de sua participação em atividades artísticas no passado. Ela citou, por exemplo, sua rápida passagem pelo Grupo Semente, em Rio Branco. “Tive meu momento de estrelato no teatro. Fui escalada para um grande papel em Morte e Vida Severina, me botaram para fazer um cacto e fiquei até final da peça como cacto. Deu torcicolo no pescoço”, brincou. A ex-ministra disse ainda que deixou a atuação quando estava grávida, o que provocava nela fortes enjoos, e que preferiu se dedicar ao figurino do grupo, depois de fazer um curso de alfaiataria.

Marina aproveitou ainda para ironizar, sem citar nomes, a atuação política do PT, de quem vem sofrendo fortes críticas. “Tem muita gente fazendo arte da política, mas no outro sentido: a arte de acabar com a Petrobras, a arte de ter uma governabilidade com base na distribuição de pedaços de Estado, para que grupos possam chamar de seu”, criticou.

Ainda mostrando-se incomodada com os boatos espalhados por sua antiga sigla, à qual ela foi filiada por mais de vinte anos, ela voltou a falar das críticas desproporcionais. “Essa jornada não está sendo fácil. É uma estrutura muito poderosa essa que está aí. Eu diria que não é uma luta de Davi contra Golias. É uma luta de vários Golias com artilharia pesada. Porque chegar no interior da Bahia e ouvir: ‘Vai acabar com o Mais Médicos, vai acabar com o Minha Casa Minha Vida, vai acabar com o Bolsa Família, vai acabar com a transposição do São Francisco, vai acabar com a Transnordestina, vai acabar com o pré-sal’. Vocês acham que isso é um ser humano? Só se fosse o exterminador do futuro. Estão subestimando a inteligência da sociedade brasileira”, declarou, fazendo nova comparação com o ex-presidente Lula, que foi alvo de uma série de ataques durante a corrida presidencial de 1989 por Fernando Collor de Mello.

Leia também:

Campanha de Marina investe em ‘programa 2.0’ para combater ataques

Partidos não vão liberar ‘os melhores’ para Marina, diz tucano

Tema recorrente de suas críticas à presidente Dilma Rousseff, a candidata do PSB lembrou ainda da série de escândalos ligados à Petrobras. “A Dilma vai manter o mesmo esquema de indicação de cargos para a Petrobras e para agências (reguladoras), que hoje foram tomados pelos interesses mesquinhos dos partidos”, disse, ironizando a fala da petista, de que não precisa apresentar um programa de governo porque, se eleita, dará continuidade ao que já vem fazendo. “Mesmo com tanto descontrole, ela (Dilma) vai manter mesmo critério de interferência dos partidos”, acrescentou.

Artistas – O evento foi também uma oportunidade para que artistas que apoiam a candidatura da pessebista gravassem vídeos de apoio a ela. Antes do início da reunião, Dinho Ouro Preto, a apresentadora Astrid e Fernando Meirelles conversaram com a candidata. Meirelles, que deu orientações aos programas de governo de Marina na campanha de 2010, disse ao site de VEJA que não está contribuindo ativamente com o programa este ano, mas afirmou ter gravado novo depoimento declarando voto à ex-senadora. Ainda na segunda, Marina encontrou o cantor Gilberto Gil, um de seus principais apoiadores do meio artístico, de quem foi colega de Esplanada. Nesta segunda, a candidata petista Dilma Rousseff também se reuniu com artistas no Rio de Janeiro, onde Marina realizará um novo encontro na noite de quarta-feira.