Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Agentes apreendem arma, facas e drogas em presídio de Alcaçuz

Cerca de 30 celulares foram recolhidos nas dependências dos pavilhões 4 e 5; segundo governo, presos não estão mais soltos no pátio

Agentes penitenciários da força-tarefa federal criada pelo Ministério da Justiça e homens do Grupo de Operações Especiais (GOE) do governo do Rio Grande do Norte realizaram nesta sexta-feira uma varredura na penitenciária de Alcaçuz, em Nísia Floresta, região metropolitana de Natal. Foram apreendidos um revólver calibre 38, cerca de 30 celulares, drogas e armas brancas (facas, facões etc) nos pavilhões 4 e 5 do presídio.

A ação faz parte da Operação Phoenix e pretende se estender por trinta dias. Os presos, que antes circulavam livremente pelo pátio, estão fechados em celas do pavilhão 4. Segundo a Secretaria de Estado da Justiça e Cidadania (Sejuc), os detentos não apresentaram resistência ao serem encaminhados para as celas e permanecem controlados.

Cerca de 120 presos foram encaminhados para autuação na delegacia móvel, instalada pela Polícia Civil no local, por portarem objetos ilícitos.

O próximo passo da força-tarefa será reformar a estrutura da penitenciária, que foi destruída por sucessivas rebeliões. No último sábado, policiais militares entraram na unidade para organizar o “muro” de contêineres que está separando o Primeiro Comando da Capital (PCC) e o Sindicato do Crime do RN provisoriamente, até que seja construída uma barreira definitiva formada por um muro pré-moldado reforçado.

A primeira rebelião deste ano na unidade aconteceu em 14 de janeiro e resultou na morte de ao menos 17 detentos, em sua maioria decapitados.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. alfredo cardoso neto

    Com este arsenal ,só poderia virar um conflito, ainda mais com bandidos de facções misturados a detentos comuns e mais frágeis. O sistema carcerário deveria ter diferentes celas e pavilhões, pois detentos não são socializados nunca, isto é conversa de ONGS que quanto pior melhor. Em cem prisioneiros, se 0,01% saem em condições de viver humanamente fora, os 99,9% estão totalmente perdidos. INFELISMENTE.Isto não é previlegio do Brasil, é no mundo todo.

    Curtir