Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Aeronáutica aponta falha do piloto na queda do jato de Campos, diz jornal

Segundo 'O Estado de S. Paulo', relatório concluiu que sequência de erros, agravada pelo mau tempo, causou o desastre que matou o político e mais seis

Por Da Redação 16 jan 2015, 05h32

As investigações da Aeronáutica sobre o desastre aéreo que matou o candidato à Presidência Eduardo Campos, em agosto do ano passado, concluíram que o acidente foi causado por falha humana, informa reportagem do jornal O Estado de S. Paulo nesta sexta-feira. Segundo a publicação, o relatório da Aeronáutica aponta uma sequência de erros do piloto Marcos Martins, entre eles a falta de experiência com o jato Cessna 560 XL e a decisão de “encurtar” o procedimento de aterrissagem na Base de Santos, descumprindo os manuais de pouso. O relatório será divulgado oficialmente até o início de fevereiro.

Ao não obedecer as manobras exigidas na aproximação da pista, o piloto cometeu o erro que deflagrou a tragédia, segundo os investigadores. O “atalho” não deu certo e Martins precisou arremeter bruscamente. Durante o procedimento, o piloto sofreu a chamada desorientação espacial, perdendo a referência da aeronave em relação ao solo. Segundo o Estadão, o relatório chegou a essa conclusão com base no tipo de queda do Cessna: em um ângulo de 70 graus e em potência máxima, como se o piloto pensasse que estivesse acelerando em um movimento de subida.

Outras circunstâncias foram apontadas como agravantes para o desastre, como a chuva e a neblina que atingiam a região na manhã do acidente e a pista curta na Base de Santos, considerada difícil para os pilotos. Além disso, a falta de treinamento de Martins com a aeronave e o histórico de atritos entre piloto e copiloto também foram citados no relatório. De acordo com o jornal, nos cinco meses de investigação do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) não foi encontrada nenhuma falha técnica ou de operações do sistema aeronáutico. As duas turbinas do jatinho estavam em perfeitas condições de uso.

O Cessna 560 XL decolou do Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, às 9h21 do dia 13 de agosto, com destino ao Guarujá. Quando a aeronave se preparava para o pouso, arremeteu devido ao mau tempo. Em seguida, o controle de tráfego aéreo perdeu contato com o jato. Além de Eduardo Campos, quatro assessores do político e os dois tripulantes morreram.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês