Clique e assine a partir de 9,90/mês

Advogado de Marcola se retira e julgamento de líder do PCC é adiado

Por Da Redação - 1 out 2009, 19h03

O julgamento de Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, de 41 anos, que deveria ocorrer nesta quinta-feira, foi adiado. Apenas Júlio César Guedes de Moraes, o Julinho Carambola, de 37 anos, ainda deve ser julgado.

O advogado dele, Roberto Parentoni, se retirou do júri depois que o juiz Alberto Anderson Filho, negou seis pedidos da defesa para que o julgamento fosse adiado. A defesa alega que não teve acesso aos documentos do processo nos últimos dias. Marcola não compareceu ao fórum (a nova lei do júri permite a ausência do réu).

O impasse atrasou o início do julgamento, marcado para as 13h. Após o anúncio da decisão do juiz, Parentoni levantou-se no meio da sessão e abandonou o plenário. Antes, o advogado, o juiz e o promotor Carlos Talarico discutiam. A nova data para o júri de Marcola ainda não foi marcada.

Ele e Julinho Carambola são acusados de participar do assassinato do juiz Antônio José Machado Dias. Os dois réus, líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC), seriam os mandantes dos quatro homens que executaram o crime às 18h do dia 14 de março de 2003. O magistrado levou tiros na cabeça, no braço e no peito quando deixava o Fórum de Presidente Prudente, na região oeste do Estado de São Paulo.

Continua após a publicidade

(Com Agência Estado)

Publicidade