Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Admar Gonzaga, ministro do TSE, é acusado de agressão pela esposa

Após desentendimento na quinta-feira, Élida Matos registrou ocorrência baseada na Lei Maria da Penha; advogado do casal diz que ela pediu retirada da queixa

Por Da Redação - Atualizado em 23 jun 2017, 17h39 - Publicado em 23 jun 2017, 16h59

A esposa do ministro Admar Gonzaga, do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), registrou uma queixa na polícia acusando o marido de agressão, praticada na noite de quinta-feira. Élida Souza Matos chamou a Polícia Militar após uma discussão na residência do casal, no Lago Sul, em Brasília, e foi levada à 1ª Delegacia de Polícia do Distrito Federal, onde foi feito um registro de violência doméstica com base na Lei Maria da Penha.

A informação foi revelada pelo jornal Metrópoles. Segundo a publicação, Elida disse aos policiais que o magistrado causou-lhe um ferimento no olho, atirou enxaguante bucal contra ela e a agrediu verbalmente. A polícia confirmou a VEJA o registro da ocorrência, mas disse que não divulga informações de casos referentes a violência doméstica.

O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay,  divulgou uma nota em nome do casal na tarde desta sexta-feira, em que eles lamentam e se desculpam com familiares e amigos e dizem que o ocorrido “não passou de um desentendimento, com exasperação de ambos os lados”. Conforme a nota, que pede respeito à intimidade e à privacidade dos casal, o caso está sendo tratado pelo próprio casal em âmbito familiar.

Segundo Kakay – que disse ser amigo dos dois -, Élida já registrou uma retratação na 1ª DP. “A ocorrência foi feita no calor dos acontecimentos e ela decidiu que queria apresentar imediatamente a retratação”, afirmou o advogado, que acrescentou que Gonzaga acompanhou a esposa na ida à delegacia. “Esperamos agora o arquivamento”.

Publicidade

Dilma-Temer

O ministro Admar Gonzaga participou do julgamento terminado no último dia 9 que absolveu a chapa Dilma-Temer da acusação de abuso de poder econômico e político nas eleições de 2014. O magistrado, nomeado para o TSE pelo presidente Michel Temer (PMDB) em março, deu o seu voto contra a cassação da chapa.  O tribunal não se pronunciou sobre o caso.

Veja a íntegra da nota do advogado do casal:

O casal Élida Souza Matos e Admar Gonzaga Neto lamenta profundamente e pede desculpas a seus familiares e amigos pelo incidente ocorrido, que não passou de um desentendimento, com exasperação de ambos os lados. Esclarece ainda que o fato noticiado pela imprensa está sendo tratado pelo próprio casal estritamente no âmbito familiar e que buscará o melhor entendimento e o pleno resguardo da integridade de ambos. Nesse momento delicado, pede a todos e todas compreensão e que respeitem a intimidade e a privacidade do casal.

 

Publicidade