Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Acusação que atinge tucanos foi passada à PF pelo ministro da Justiça

Texto atribuído a ex-diretor da Siemens aponta envolvimento de secretários do governo paulista com cartel do metrô

Por Alana Rizzo
22 nov 2013, 17h19

(Atualizada às 21h20)

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, admitiu hoje a VEJA, por meio de sua assessoria, que foi ele quem repassou à Polícia Federal o depoimento atribuído a um ex-executivo da Siemens que acusa a cúpula do PSDB em São Paulo de envolvimento com o cartel que operava em licitações de trens e metrô no estado. A informação desmente a versão da PF, subordinada ao Ministério da Justiça, que até então atribuía a origem do documento ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica, o Cade. Revelado na quinta-feira, o depoimento envolveu pela primeira vez políticos da cúpula do PSDB nesse caso.

Leia mais:

Entenda as denúncias de cartel no metrô de São Paulo

Cartel pagou R$ 20 mi para consultorias suspeitas de intermediar propina

Continua após a publicidade

Corrupção em São Paulo: PF mostra a trilha do dinheiro

PF vai investigar ex-diretor da CPTM suspeito de receber propina

No documento, supostamente elaborado pelo ex-executivo da Siemens Everton Rheinheimer, que trabalhou na empresa por 22 anos até 2007, o autor diz ter provas do envolvimento dos políticos, sem no entanto apresentá-las. “Tenho em meu poder uma série de documentos (originais) que provam a existência de um forte esquema de corrupção no estado de São Paulo durante os governos [Mário] Covas,[Geraldo] Alckmin e [José] Serra e que tinha como objetivo principal o abastecimento do caixa dois do PSDB e do DEM”, disse. Em troca das informações, Rheinheimer teria pedido ao destinatário do texto um cargo na direção da Vale.

“O acordo que proponho a seguir não tem nenhum risco, mas envolve minha indicação para uma diretoria-executiva da Vale no médio prazo”, diz o ex-executivo. Como é sabido, nem o Cade nem a Polícia Federal e nem Ministério Público têm o poder de fazer nomeações para a mineradora. Essa prerrogativa é dos acionistas da ex-estatal, incluindo o governo federal – que detém 5% das suas ações – e representantes do partido do governo com influência na empresa.

Continua após a publicidade

O documento envolve quatro secretários do governo do Estado de São Paulo, três do PSDB – Edson Aparecido (Casa Civil), Jurandir Fernandes (Transportes Metropolitanos) e José Aníbal (Energia) e um do DEM, Rodrigo Garcia (Desenvolvimento Econômico), além do senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB) e do deputado Arnaldo Jardim (PPS). Todos negam as informações.

A VEJA, a assessoria do ministro informou que ele costuma receber denúncias e encaminhá-las aos órgãos responsáveis. Não explicou, no entanto, por que ele passou a semana inteira em silêncio enquanto se discutia a origem do documento, atribuída ao Cade. Cardozo admitiu que foi ele quem passou o depoimento à Polícia Federal depois de questionado pela reportagem da revista.

Às 19h40 desta sexta, Everton Rheinheimer divulgou nota na qual afirma que o texto atribuído a ele é “anônimo” e que nunca encaminhou o documento à PF nem ao Cade.

Às 21h desta sexta-feira, o ministro divulgou nota na qual afirma que recebeu o documento do deputado estadual Simão Pedro (PT-SP), atual secretário de Serviços da prefeitura de São Paulo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.