Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Acesso ao Porto de Santos é liberado após protesto

Manifestação de caminhoneiros bloqueou a Rodovia Anchieta por quase 12 horas; polícia prendeu sete pessoas e um veículo foi incendiado na pista

O acesso ao Porto de Santos, o principal do país, foi liberado na noite desta terça-feira, após quase doze horas de bloqueio devido a um protesto de caminhoneiros. A manifestação começou por volta das 11h30 e interrompeu o tráfego na Rodovia Anchieta, que liga São Paulo à Baixada Santista. Segundo o jornal A Tribuna, de Santos, sete pessoas foram presas por depredar caminhões e despejar a carga na pista.

Leia mais:

Greve afeta fluxo de mercadorias e colheira de soja

Governo descarta reduzir preço do diesel, diz ministro

Na tentativa de amenizar o congestionamento, a Polícia Rodoviária liberou a circulação no acostamento da Anchieta para carros de passeio e veículos de emergência.

Durante o protesto, homens encapuzados incendiaram um caminhão depois de exigir a saída do motorista do veículo. O fogo foi controlado, mas nenhum dos envolvidos na ação foi capturado. De noite, homens do 2º Batalhão de Ações Especiais (Baep) usaram balas de borracha e bombas de efeito moral para dispersar os manifestantes. Por volta das 23h, a Rodovia Anchieta foi liberada.

De acordo com o tenente-coronel Carlos Alberto dos Santos, comandante do primeiro batalhão da Polícia Rodoviária, a negociação com os caminhoneiros é complicada porque não existe uma liderança no movimento. “É uma minoria que está coagindo os caminhoneiros a parar e vandalizar os veículos. É uma ação difícil para a polícia poder discutir, para entrar num acordo com essas pessoas”, afirmou para o jornal A Tribuna. Mesmo com a liberação da Anchieta, a polícia deve continuar na rodovia.

Paralisações – A greve de caminhoneiros se espalhou por 11 Estados nesta terça-feira, levando o caos para estradas em diversas partes do país. Uma das principais reivindicações da categoria é a redução do preço do diesel, que sofreu elevação no fim do ano passado, após a Petrobras sofrer anos com a defasagem entre os preços internos e externos dos combustíveis.