Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cenas fortes: garçom lava pé de empresário com champanhe francês

Momento foi registrado na segunda-feira de Carnaval, no dia 12, no clube Praia La Serena, em Florianópolis (SC)

Em Jurerê Internacional, balneário de elite em Florianópolis (SC), ter muito dinheiro não é novidade. Pelas areias da praia, desfilaram as modelos Gisele Bündchen e Alessandra Ambrósio. Os esportistas Michael Schumacher, Neymar e Gabriel Medina também já descansaram por ali.

Ainda assim, há quem consiga se destacar no meio de tantos nomes famosos e cifrões. Na segunda-feira de Carnaval, dia 12, um empresário chamou a atenção dos frequentadores do beach club Praia La Serena ao pedir que um garçom tirasse a areia de seus pés com champanhe francês Veuve Clicquot.

A cena foi registrada num vídeo, de apenas oito segundos, e postada no YouTube e nas redes sociais. O filme mostra o homem reclinado em uma cadeira enquanto um funcionário do local vira uma garrafa (a unidade custa 650 reais) sobre seus pés. No chão, um balde laranja, com o logotipo da marca, serve como apoio. Ao lado, uma prancha da mesma cor do rótulo adorna a mesa, que conta ainda com outro balde da mesma tonalidade, ainda repleto de garrafas.

Não demorou para internautas se revoltarem com a atitude. “Gente rica pode ter tudo, menos noção”, disse um. “Isso não é riqueza, é estupidez”, emendou outra.

Leandro Adegas, dono do local, confirma a veracidade do vídeo. “Perguntei para o meu funcionário. Ele falou que foi num momento em que ele estava para ir embora. Sobrou champanhe numa garrafa, e o atendente foi servi-lo para repor a taça, quando ele falou: ‘Não, pode molhar ai nos meus pés para tirar a areia'”, conta. “Ele não abriu para isso.”

Nas redes sociais, o empresário é identificado como Douglas Aguiar, dono da Brastub, empresa de fornecimento de andaimes industriais. Adegas confirma a informação e diz que se trata de um hóspede frequente, que costuma pedir “de dez em dez garrafas” usualmente. “Acho que já não era mais o primeiro pedido. Ele já devia ter pedido pelo menos umas 20”, conta Adegas.

“Ele oferece inclusive para quem não conhece”, explica. “Isso geralmente causa um impacto de quem não está habituado a ver isso.”

Procurado desde a tarde desta sexta-feira, o empresário Douglas Aguiar estava com o celular desligado.

O empresário Douglas Aguiar, da Brastub

O empresário Douglas Aguiar, da Brastub (Reprodução/Reprodução)

Não é a primeira vez que ele vira notícia por seu comportamento fora do comum. Em 2010, Aguiar abandonou na estrada uma de suas Ferraris, avaliada em mais de um milhão de reais, após um acidente em Minas Gerais. Só retirou o veículo dois dias depois, após pagar 70 mil reais em impostos atrasados.

Muito natural

Lavar os pés com champanhe caríssimo não é novidade no local, diz Adegas. “Já aconteceu em outros anos”, afirma. “Isso acontece em tudo o que beach club no mundo. De Saint Tropez a Punta (del Este). Florianópolis, Trancoso, Barra Grande, Miami Beach. Isso é um hábito comum de alguns milionários.”

“Depois que ele pagou a conta o produto é dele, ele faz o que quer. Desde que não implique na individualidade de qualquer outro cliente ou no funcionamento da casa, se quiser pegar o produto e levar para casa, jogar no chão, beber, a gente deixa para o cliente resolver.”

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Mateus de Oliveira Pereira

    Quando o fígado parar ele terá dinheiro pra comprar um no mercado negro de órgãos. Isso é que o pior

    Curtir