Clique e assine a partir de 9,90/mês
VEJA Recomenda Por Coluna Os principais lançamentos da música, do cinema, da literatura e da produção infanto-juvenil, além da TV, comentados pelo time de VEJA

‘The New Abnormal’: sexto álbum dos Strokes revela amadurecimento do grupo

Desde a estreia da banda americana em 2001, os jovens resolveram trocar a rebeldia pueril do passado por um som mais limpo e comportado

Por Felipe Branco Cruz - Atualizado em 10 abr 2020, 14h13 - Publicado em 10 abr 2020, 07h00
DISCO – The New Abnormal, dos Strokes (Sony Music; disponível nas plataformas digitais) //Divulgação

Uma das bandas mais cultuadas do rock nas últimas décadas, a americana Strokes está de volta em voltagem máxima: seu sexto álbum é o melhor desde a estreia, em 2001, com Is this It. The New Abnormal mostra, em suas nove faixas, o amadurecimento do grupo — que trocou a rebeldia pueril do passado por um som mais limpo e comportado. The Adults Are Talking é uma das músicas mais marcantes, com um jogo de riffs e solos certeiros de Albert Hammond Jr. e Nick Valensi. Há espaço ainda para as dançantes Brooklyn Bridge to Chorus e Eternal Summer (com direito a vocais rasgados e sofridos de Julian Casablancas) e também para voos mais melancólicos, como Why Are Sundays So Depressing, que tem uma pegada no estilo Lou Reed, e Not the Same Anymore, em que brilha o baixo de Nikolai Fraiture. A faixa mais criativa, porém, é a eletrônica At the Door, na qual os Strokes exibem um jeitão de Daft Punk. Bom para os fãs brasileiros enquanto torcem pelo show da banda no Lollapalooza, remarcado para 6 de dezembro.

 

Publicidade