Clique e assine a partir de 9,90/mês
VEJA Recomenda Por Coluna Os principais lançamentos da música, do cinema, da literatura e da produção infanto-juvenil, além da TV, comentados pelo time de VEJA

Simply Red numa aula básica de música negra americana

Novo disco do grupo inglês revisita a soul music e o funk americanos e tem até uma canção que James Brown, pai do funk, assinaria com gosto

Por Sérgio Martins - Atualizado em 11 nov 2019, 12h50 - Publicado em 11 nov 2019, 12h26
Divulgação/Divulgação

Simply Red é Mick Hucknall, cantor e compositor de voz negróide e cabelos vermelhos, que troca de integrantes como quem troca de roupa. A única coisa que não mudou nessas mais de três décadas de atividade é o estilo perpetuado pelo grupo: uma aula de rhtyhm’n’blues, soul music e funk americanos, interpretada de modo exemplar. Blue Eyed Soul, disponível nas plataformas de streaming, honra a discografia do conjunto. Embora não traga um sucesso da categoria de Holding Back the Years ou For Your Babies, que garantiram o Simply Red em alta rotação nas rádios brasileiras, suas dez faixas emulam o melhor da música negra. Há canções inspiradas na sonoridade crua da Stax, gravadora que foi casa do soulman Otis Redding (Complete Love), enquanto que outras trazem o soul sofisticado da Motown, casa da Stevie Wonder e Marvin Gaye (Take a Good Look). A voz de Hucknall dá sinais de cansaço e trazem uma rouquidão, porém ele ainda impressiona. O espírito de James Brown baixa certeiro no ruivo em Don’t Do Down, e a balada Tonight reúne qualidades suficientes para embalar ritos de acasalamento.

Publicidade