Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
VEJA Recomenda Por Coluna Os principais lançamentos da música, do cinema, da literatura e da produção infanto-juvenil, além da TV, comentados pelo time de VEJA

‘Se a Rua Beale Falasse’: em meio a romance, um mosaico de vivência negra

Diretor Barry Jenkins, de 'Moonlight', vencedor do Oscar de 2017, faz belíssima adaptação de uma obra de James Baldwin

Por Redação - 8 fev 2019, 07h00

(If Beale Street Could Talk, Estados Unidos, 2018. Já em cartaz no país) Não foi sorte de principiante o êxito do diretor Barry Jenkins em Moonlight, o ganhador do Oscar de 2017: ele agora ajusta a paleta de seu estilo caloroso na emoção e impressionista na linguagem para fazer a belíssima adaptação de uma obra de James Baldwin (1924-1987), o grande romancista negro americano. Está-se no início da década de 70, e Fonny e Tish (Stephan James e KiKi Layne), amigos desde a infância, acabam de se perceber apaixonados. Ele tem 22 anos; ela, 19. Mas a tragédia interrompe o embriagamento da paixão e os planos para o futuro. Fonny é falsamente acusado de estupro e preso, e Tish constata estar grávida. A mãe dele, religiosa, o abandona. Tish e sua mãe (a indômita Regina King), então, é que assumirão a longa batalha para tentar provar a inocência de Fonny. Jenkins tira o sumo de seus atores e honra o mosaico de experiências negras retratadas por Baldwin.

Publicidade