Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
VEJA Recomenda Por Coluna Os principais lançamentos da música, do cinema, da literatura e da produção infanto-juvenil, além da TV, comentados pelo time de VEJA

Novo ‘Pinóquio’ é uma bela e incômoda adaptação do clássico infantil

Dirigido pelo italiano Matteo Garrone, releitura da fábula analisa como a sociedade trata corpos estranhos – no sentido literal e metafórico do termo

Por Isabela Boscov Atualizado em 22 jan 2021, 11h05 - Publicado em 22 jan 2021, 07h00

Todas as correntes subterrâneas e a estranheza da fábula de 1883 do italiano Carlo Collodi emergem nesta adaptação do diretor Matteo Garrone, celebrizado por Gomorra mas íntimo da beleza perturbadora requerida ao gênero desde O Conto dos Contos (2015). Garrone usa a história do brinquedo de madeira criado por Geppetto (Roberto Benigni) para um comentário sobre como uma sociedade trata os corpos estranhos — no sentido literal e também metafórico do termo. É incômodo, mas belo e, às vezes, cômico. Para contar essa história, o diretor vale-se de um leque de recursos cênicos, da “maquiagem” em computação gráfica (o Pinóquio do menino Federico Ielapi é uma façanha) a próteses artesanais. Outro ponto alto é a fotografia magistral, que transforma quase em pintura as locações medievais. Já em cartaz no país.

Publicidade