Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
VEJA Recomenda Por Coluna Os principais lançamentos da música, do cinema, da literatura e da produção infanto-juvenil, além da TV, comentados pelo time de VEJA

Jason Reynolds traduz em versos a realidade de jovens negros americanos

'Daqui Pra Baixo' retrata a vida de um adolescente que teve o irmão assassinado por uma gangue e se divide entre buscar vingança e seguir sua vida

Por Amanda Capuano - Atualizado em 6 set 2019, 12h17 - Publicado em 6 set 2019, 11h50

Até os 17 anos, Jason Reynolds nunca havia lido um livro completo. Hoje, aos 35, o escritor e poeta é autor de doze obras voltadas ao público jovem/adulto e já figurou entre os mais vendidos do The New York Times. Daqui Pra Baixo, volume de poesias recém-lançado no Brasil pela Intrínseca, faz juz à frase que abre o perfil do autor em seu site oficial: “O que eu pretendo fazer: não escrever livros entediantes.” Reynolds narra em versos os conflitos de um adolescente de 15 anos que teve o irmão mais velho assassinado por uma gangue rival – e o resultado é tudo, menos entediante. Toda a narrativa desenvolvida nas 320 páginas dá conta de pouco mais de um minuto na vida do protagonista. Nesse intervalo ínfimo, enquanto o elevador do prédio onde vive leva para chegar de seu apartamento ao térreo, o adolescente precisa decidir se segue as regras locais e vinga da morte do irmão, tornando-se ele próprio um assassino – ou se enterra de vez a tragédia e tenta tocar a vida.

Com versos curtos e ritmados que remetem às rimas do rap – Reynolds começou, aliás, como artista do gênero -, o livro faz o leitor mergulhar de maneira convincente na vida de jovens negros que habitam o subúrbio americano. É um ambiente que o autor conhece bem. Assim como a dor da perda de que falam seus versos. A história do irmão do protagonista Will tem bases reais: aos 19 anos, o escritor perdeu um amigo assassinado. Na noite do crime, Reynolds e outros colegas reuniram-se na casa do rapaz morto para tentar descobrir a identidade do algoz e montar um plano de vingança. A ideia, felizmente, nunca foi concretizada – e a dor e os conflitos da tragédia se converteram em uma tocante viagem poética.

Publicidade