Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
VEJA Recomenda Por Coluna Os principais lançamentos da música, do cinema, da literatura e da produção infanto-juvenil, além da TV, comentados pelo time de VEJA

Em quarto e contundente disco, Halsey cria pontes entre passado e futuro

Produzido por membros do Nine Inch Nails, 'If I Can't Have Love, I Want Power' tem a mais nova mamãe embalada em rock industrial e letras confessionais

Por Tamara Nassif Atualizado em 2 set 2021, 18h16 - Publicado em 3 set 2021, 07h00
IF I CAN’T HAVE LOVE, I WANT POWER, de Halsey (disponível nas plataformas de streaming) -
IF I CAN’T HAVE LOVE, I WANT POWER, de Halsey (disponível nas plataformas de streaming) – ./.

Em 2015, então aos 21 anos, a americana Halsey cantava para milhares de jovens na turnê mundial de seu álbum de estreia, Badlands, quando sentiu um mal-estar: era um aborto espontâneo. Após o trauma, o sonho da maternidade foi enfim realizado no último mês de julho. Embora a amalucadinha artista pop tenha dado à luz o pequeno Ender, contentamento não é bem o clima deste seu quarto disco. Feito em meio à gravidez e produzido por Trent Reznor e Atticus Ross, da banda Nine Inch Nails, o álbum é uma ponte entre passado e futuro: os vocais fofos de Halsey se fundem ao rock eletrônico e industrial em letras confessionais. Em Easier Than Lying, ela esbraveja contra pessoas que a teriam enganado na vida; enquanto isso, a energética Honey traz o roqueiro Dave Grohl na bateria. A pungência da maternidade surge em Ya’aburnee, expressão árabe que designa não querer viver mais que um ente querido. Uma perfeita mescla de doçura e contundência.

Publicidade