Clique e assine a partir de 8,90/mês
VEJA Recomenda Por Coluna Os principais lançamentos da música, do cinema, da literatura e da produção infanto-juvenil, além da TV, comentados pelo time de VEJA

Donatinho faz uma homenagem à brasileira para Herbie Hancock

Filho do bossa novista João Donato, o tecladista e compositor carioca recria a fase funk e soul de um dos maiores nomes da história do jazz americano

Por Da Redação - Atualizado em 16 ago 2019, 15h55 - Publicado em 16 ago 2019, 13h28

 

João Donato Oliveira, o Donatinho, é filho do pianista João Donato, um dos grandes nomes da MPB e um bossa novista que expandiu o gênero ao misturá-lo com soul music, funk e rock. Donatinho não fica atrás em matéria de inquietude musical. Sua especialidade são os teclados e sintetizadores típicos dos anos 70 – uma sonoridade definida como “espacial” – e efeitos de voz como o talk box e o vocoder. Essa característica faz com que o músico seja requisitado por todo intérprete em busca de um colorido especial em seu repertório. A lista de colaborações do tecladista é extensa e vai de nomes consagrados como Gilberto Gil e Caetano Veloso a ídolos populares como Ivete Sangalo e Ana Carolina; de compositores da nova geração como Jonas Sá a Sly & Robbie, dupla que revolucionou o reggae. Em maio desse ano Donatinho apresentou na casa paulistana Blue Note um show em tributo ao jazzista Herbie Hancock. Hoje, às 21h ele repete a dose numa única performance no Sesc 24 de Maio, em São Paulo (Rua 24 de Maio, 109, centro; ingressos entre 9 e 30 reais).

A homenagem de Donatinho se concentra especialmente nas produções de Hancock – um dos artistas mais multifacetados da história do jazz – dos anos 70. Foi o período em que lançou discos como Headhunters (1974), que fazia uma influência forte do soul e do funk. O álbum, aliás, foi o primeiro trabalho que encantou o jovem tecladista, então com doze anos. Tributo a Herbie Hancock não se limita a reproduzir as criações suingadas do americano. À frente de uma banda bem azeitada, cujo destaque é o guitarrista Carlos Pontual, Donatinho faz um Herbie à brasileira, com novos arranjos e espaço para improvisações. Um tributo à altura não apenas do sobrenome Hancock, mas também do nome Donato.

Continua após a publicidade
Publicidade