Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
VEJA Recomenda Por Coluna Os principais lançamentos da música, do cinema, da literatura e da produção infanto-juvenil, além da TV, comentados pelo time de VEJA

Body Count: o rapper Ice-T ainda mais agressivo no rock

Criado em 1989, o grupo tem dívidas musicais com bandas como Black Sabbath, Suicidal Tendencies e Slayer

Por Da Redação 16 fev 2018, 06h00

(Hellion Records) O rapper Ice-T despontou na virada dos anos 80 para os 90 ao narrar histórias duras e cruas de violência e racismo. E ele consegue ser ainda mais pesado e agressivo em sua encarnação roqueira, à frente do Body Count. Criado em 1989, o grupo, embora fale dos dramas urbanos típicos do rap, tem dívidas musicais com bandas muito distantes desse gênero, como Black Sabbath, Suicidal Tendencies e ­Slayer. Bloodlust, o sétimo disco do Body Count, conta com a participação especial de Dave Mustaine, do Megadeth, que contribuiu com a guitarra desnorteada de Civil War, e de Max Cavalera, do Soulfly, que berra na medida certa para fazer de All Love Is Lost uma das grandes canções do álbum.

Publicidade