Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
VEJA Recomenda Por Coluna Os principais lançamentos da música, do cinema, da literatura e da produção infanto-juvenil, além da TV, comentados pelo time de VEJA

Björk: sons orgânicos alternados com inovações eletrônicas

No disco ‘Utopia’, a islandesa mistura flautas, cordas e madeiras – que lembram até as obras regionais de Heitor Villa-Lobos

Por Da Redação 29 dez 2017, 06h00

(One Little Indian; disponível em plataformas digitais) A cantora islandesa diz que este é seu “disco do Tinder” (aplicativo de paquera). Pois, se Vulnicura, seu álbum anterior, exorcizava o fim do casamento de Björk com o artista plástico Matthew Barney, Utopia anuncia que o coração da artista está aberto para novos relacionamentos. Blissing Me, faixa repleta de sons de flauta (instrumento que a cantora tocou na infância), fala de um flerte virtual: a letra refere-se a amantes nerds que “trocam arquivos musicais em MP3” e mensagens de texto. Produzido em parceria com o venezuelano Arca, também responsável por Vulnicura, o novo trabalho contrapõe sons orgânicos a inovações eletrônicas. Um exemplo dessa mistura é Courtship, cujas cordas e madeiras lembram até as obras regionais de Heitor Vil­la-Lobos.

Publicidade