Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
VEJA Gente Notícias, bastidores e conversas de quem é assunto na cultura, na política, nos negócios e em outras rodas

Valdemiro Santiago e seu broto de feijão são banidos do YouTube 

Broto milagroso era sugerido por 1.000 reais

Por João Batista Jr. 22 Maio 2020, 15h35

Ao menos três vídeos do pastor Valdemiro Santiago oferecendo semente de feijão milagrosa, com suposto poder de curar a Covid-19, foram removidos do YouTube. O conteúdo do líder da Igreja Mundial do Poder de Deus, que sugere depósito de 1.000 reais para receber a planta em casa, foi removido pela plataforma por algumas razões, sendo a principal delas propagar mentira ligada à pandemia. O Ministério Público Federal solicitou ao YouTube a retirada dos vídeos em que Valdemiro Santiago fala dos feijões milagrosos. O MPF também mandou uma notícia-crime ao Ministério Público Estadual para apurar possível estelionato por parte do autodenominado apóstolo. A reportagem de VEJA esteve na sede da Mundial, no bairro do Brás, em São Paulo, quando o religioso falou dos superpoderes do feijão. Com a queda de dízimos como efeito da pandemia, Valdemiro culpou o “Exu Corona” para atrasar o pagamento de aluguel de seus templos. Além disso, ele passou a fazer propaganda colchão em suas lives.

Embora confirme a remoção dos vídeos de Valdemiro, o YouTube afirma não ser possível afirmar se eles foram banidos exclusivamente em função do pedido do Ministério Público Federal. A plataforma tem algumas maneiras de evitar a propagação de mentiras e falsas promessas relacionadas à covid. São elas: sistema automático para detectar inverdades; denúncias feitas por usuários; revisores humanos; e comitê composto pelo Programa de Revisor Confiável, que inclui ONGs, médicos e outros integrantes da sociedade civil. O YouTube afirma que 90% dos casos de remoção se dão pelo sistema automático.

No último trimestre de 2019, a plataforma tirou do site 5,8 milhões por desrespeitarem algumas de suas normas. Não há dados concretos de conteúdo removidos ligados ao coronavírus. O YouTube fala apenas em “milhares de remoções”, sem cravar um número específico.

Publicidade