Clique e assine a partir de 9,90/mês
VEJA Gente Por João Batista Jr. Notícias, bastidores e conversas de quem é assunto na cultura, na política, nos negócios e em outras rodas

O confinamento foi um bom negócio para Manu Gavassi

A cantora decidiu criar uma agência de propaganda para empresas de moda, beleza e bebidas

Por João Batista Jr. - Atualizado em 24 jul 2020, 10h54 - Publicado em 24 jul 2020, 06h00
Manu Gavassi Reprodução/Instagram

A cantora Manu Gavassi deixou o Big Brother Brasil muito maior do que entrou, e não apenas porque saltou de 4,5 para 12 milhões de seguidores no Instagram (hoje, soma 15,6 milhões). Ela passou a ser vista como uma craque em marketing por ter criado uma campanha com fotos e vídeos para ser postados enquanto estava confinada. Valorizada no mercado, Manu decidiu criar uma agência de propaganda para empresas de moda, beleza e bebidas. “Eu era chamada para fazer a publicidade, mas não gostava da campanha”, conta. “Decidi cuidar do roteiro, da arte, de tudo.” Em paralelo, Manu investe em trabalho social: doou 50 000 reais para a ONG Unas, da favela de Heliópolis, em São Paulo, e em parceria com a entidade Heavy Conecta faz campanha para arrecadar outros 50 000. “Toda ajuda é bem-vinda, seja 10 reais ou mais. O dinheiro será revertido para a compra de cestas básicas, kits de higiene, alimentos e brinquedos.”

Publicado em VEJA de 29 de julho de 2020, edição nº 2697

Publicidade