Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
VEJA Gente Notícias, bastidores e conversas de quem é assunto na cultura, na política, nos negócios e em outras rodas

Narcisa Tamborindeguy, sobre fechamento do Copa: “Estou deprimida”

“Eu aprendi a nadar no Copacabana Palace, pedia da minha janela para me mandarem talharim...", conta a socialite

Por João Batista Jr. Atualizado em 17 abr 2020, 09h38 - Publicado em 17 abr 2020, 06h00

Moradora do Edifício Chopin e, portanto, vizinha de muro do Copacabana Palace, a socialite Narcisa Tamborindeguy está desolada com o encerramento temporário das atividades do hotel mais famoso do Brasil. “Eu aprendi a nadar no Copa, pedia da minha janela para me mandarem talharim… Estou deprimida”, diz.“Na verdade, de tanta gula, pedia logo três talharins.” Narcisa diz que, mesmo que momentâneo, o Copa fechado é indício de novos tempos. Assim: “Acabou o glamour, agora impera a incerteza. Não temos mais as festas, as mulheres de vestidos longos, o drinque na piscina. Há o medo coletivo de um vírus maluco que não sabemos quando vai sumir”.

Publicado em VEJA de 22 de abril de 2020, edição nº 2683

  • Publicidade