Clique e assine a partir de 8,90/mês
VEJA Gente Notícias, bastidores e conversas de quem é assunto na cultura, na política, nos negócios e em outras rodas

“Meus filhos não vão à escolinha agora”, diz Bruno Mazzeo

O ator fala sobre os contratempos das gravações de 'A Escolinha do Professor Raimundo' e o dilema da volta às aulas na pandemia

Por Eduardo F. Filho - Atualizado em 16 out 2020, 10h46 - Publicado em 16 out 2020, 06h00

O remake de A Escolinha do Professor Raimundo vai ao ar no domingo 18, na Globo, para sua sexta temporada. O humorista Bruno Mazzeo — que faz o papel consagrado pelo pai, Chico Anysio — fala sobre os contratempos das gravações e o dilema da volta às aulas na pandemia.

Como a Covid-19 afetou as gravações? Os protocolos atrapalharam, e muito. Não pode mais ter circulação entre as carteiras e as tradicionais idas até a mesa do professor foram canceladas, por exemplo.

Algum reflexo nos personagens? Quem se deu bem foi o Marcelo Serrado, que estreou como Ptolomeu sem levar chuva de bolinhas de papel, já que as restrições não permitiram.

A Escolinha voltará nesta semana, mas na vida real o debate sobre o retorno às aulas está longe de ter fim. Como pai, qual sua opinião? João, meu filho mais velho, segue com aulas on-line e deve ficar assim até o fim do ano. Os pequenos (os gêmeos José e Francisco, de 3 anos), nós tiramos das aulas. Não me sentiria seguro de mandá-los de volta à escolinha agora.

Publicado em VEJA de 21 de outubro de 2020, edição nº 2709

Continua após a publicidade
Publicidade