Clique e assine com até 92% de desconto
VEJA Gente Notícias, bastidores e conversas de quem é assunto na cultura, na política, nos negócios e em outras rodas

Maya Gabeira faz campanha contra a proibição da prática do surf em vila

“Os surfistas não propagam o vírus. As autoridades que precisam controlar o público”, diz ela

Por Eduardo F. Filho Atualizado em 20 nov 2020, 10h26 - Publicado em 20 nov 2020, 06h00

Residente da vila portuguesa de Nazaré, território de ondas gigantes, a carioca Maya Gabeira, 33 anos, quase perdeu a vida por lá em um acidente em 2013 e, em outubro, bateu no mesmo point o recorde mundial de maior onda já surfada por uma mulher. Agora, está às voltas na região com uma campanha contra a recente proibição da prática do esporte. O motivo é o coronavírus: milhares de pessoas se aglomeram em um penhasco para ver as façanhas na água. “Os surfistas não propagam o vírus. As autoridades que precisam controlar o público”, diz ela. Por enquanto, o apelo da campeã ainda não sensibilizou as autoridades locais.

Publicado em VEJA de 25 de novembro de 2020, edição nº 2714

Publicidade