Clique e assine a partir de 9,90/mês
VEJA Gente Por João Batista Jr. Notícias, bastidores e conversas de quem é assunto na cultura, na política, nos negócios e em outras rodas

Como Mario Frias conseguiu uma boquinha no serviço público

Ator ganhou os holofotes quando apareceu como favorito para ser o novo secretário de Cultura; nome foi confirmado na sexta

Por João Batista Jr. - Atualizado em 20 Jun 2020, 08h42 - Publicado em 19 Jun 2020, 06h00

Ator e apresentador sem grandes feitos, Mario Frias ganhou os holofotes quando apareceu como favorito para ser o novo secretário de Cultura (na noite de sexta, seu nome foi confirmado). Com seu ralo talento dramático, Frias apostou na tática da radicalização para emplacar no governo. Apoiador conhecido de Jair Bolsonaro, ele procurou se mostrar ainda mais alinhado com o presidente. O ator seguiu a cartilha olavista e ideológica: bateu na China, na imprensa, nos governadores… No dia 25 de abril, tinha 187 000 seguidores no Instagram. Agora, soma 314 000. Além da popularidade nas redes, a estratégia radical deu frutos na campanha por uma boquinha no serviço público.

ASSINE VEJA

Acharam o Queiroz. E perto demais Leia nesta edição: como a prisão do ex-policial pode afetar o destino do governo Bolsonaro e, na cobertura sobre Covid-19, a estabilização do número de mortes no Brasil
Clique e Assine

Publicado em VEJA de 24 de junho de 2020, edição nº 2692

Publicidade