Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
VEJA Gente Notícias, bastidores e conversas de quem é assunto na cultura, na política, nos negócios e em outras rodas

Maitê Proença fala de climão com Regina Duarte: “Estou absolutamente viva”

A secretária de Cultura se recusou a responder uma pergunta da atriz e rebateu: "Por que desenterrar mortos?"

Por João Batista Jr. Atualizado em 7 Maio 2020, 19h50 - Publicado em 7 Maio 2020, 19h22

Regina Duarte reagiu de forma intempestiva durante uma entrevista para a CNN nesta quinta (7), quando foi indagada com uma pergunta vinda da atriz Maitê Proença. A secretária de Cultura rebateu ao vivo no canal de notícias: “Por que desenterrar mortos?” De forma abrupta, deixando repórter e apresentadores surpresos, ela interrompeu a entrevista concedida de Brasília. Ficou um climão no ar, com a secretária nitidamente contrariada. É comum na programação da emissora haver uma divisão da tela, com perguntas enviadas por personalidades. Regina não chegou a escutar a mensagem de Maitê.

A coluna ligou para Maitê que explicou que entraria em uma live às 19 horas em sua conta no Instagram para falar do cineasta Domingos Oliveira. Diante da repercussão sobre a não entrevista de Regina Duarte, Maitê foi solicitada pelo público a se manifestar sobre o caso:

ASSINE VEJA

Moro fala a VEJA: ‘Não sou mentiroso’ Em entrevista exclusiva, ex-ministro diz que apresentará provas no STF das acusações contra Bolsonaro. E mais: a pandemia nas favelas e o médico brasileiro na linha de frente contra o coronavírus. Leia nesta edição.
Clique e Assine

“Como a Regina foi ontem conversar com o presidente, a CNN me ligou e eu topei falar. Achei que estava na hora de fazer alguma coisa como classe. Eu acho que ela (Regina) não quis ouvir. Ela presumiu que era uma coisa do passado, não era. Eu estou absolutamente viva. A cultura está perplexa com esse silêncio abissal em relação à política pelo setor, nós estamos vivendo de vaquinhas. Fomos os primeiros a parar e seremos os últimos a voltar, pois nosso trabalho pressupõe uma aglomeração.

Nossos grandes estão morrendo, como Rubem Fonseca e Flávio Migliaccio, e ela e o presidente não dizem uma palavra. Eu fui a primeira pessoa a defender a Regina ter o direito de pensar diferente. Mas agora estou clamando para ela mostrar os feitos e para conversar com a sua classe. Eu pedi para ela, mas ela não quis escutar. É isso que nós temos para hoje. Eu gosto dela. Eu penso diferente dela, mas eu respeito o direito de enxergar o mundo de forma diferente. Eu acredito que a Regina é bom caráter.”

  • Continua após a publicidade
    Publicidade