Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Tela Plana Por Blog Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming

Trajetória do criador de ‘Rent’ é narrada por novo musical da Netflix

Adaptação do monólogo 'Tick, Tick... Boom!', de Jonathan Larson, filme colocou Andrew Garfield entre as apostas para o Oscar de melhor ator em 2022

Por Marcelo Canquerino 22 nov 2021, 14h58

Há 25 anos em cartaz na Broadway, o espetáculo Rent foi responsável por transformar o compositor e dramaturgo Jonathan Larson (1960-1996) em um nome cultuado dentro do teatro mundial. Ele, porém, não viu seu trabalho ganhar forma nos palcos já que, na madrugada de 25 de janeiro de 1996, morreu, aos 35 anos, vítima de um aneurisma — um dia antes da peça estrear. Sua trajetória antes do reconhecimento, entre tentativas (e muitos erros) é contada com entusiasmo e criatividade pelo novo musical da Netflix Tick, Tick… Boom!.

A produção, estreia de Lin-Manuel Miranda na direção de filmes, é uma adaptação do monólogo biográfico de mesmo nome criado por Larson. No palco com um piano e uma pequena banda de rock, ele narra as experiências e os esforços de criação, oito anos a fio, de sua primeira peça, Superbia, que nunca saiu do papel. No longa, o compositor é interpretado com carisma e fôlego por Andrew Garfield, papel que já o colocou entre os possíveis indicados ao Oscar de melhor ator em 2022. As narrações sobre um artista apaixonado pelo que faz são intercaladas por cenas contagiantes do dia a dia de Larson, seja com os amigos, nas noites mal dormidas em que sofre para compor ou mesmo nos conflitos com a namorada, que se sente deixada de lado. 

Cena do filme 'Tick Tick... Boom', dirigido por Lin-Manuel Miranda.
Cena do filme ‘Tick Tick… Boom’, dirigido por Lin-Manuel Miranda. Macall Polay/Netflix/Divulgação

O longa, apesar de se ater aos fatos, consegue extrapolá-los da maneira lúdica característica dos musicais. Assim como na vida real, durante o monólogo, o protagonista conta que chegou a conhecer Stephen Sondheim, compositor e letrista famoso no teatro musical americano, responsável por títulos como Sweeney Todd, Caminhos da Floresta e as letras de Amor, Sublime Amor. Ele foi um grande entusiasta e apoiador do trabalho desenvolvido por Larson e chegou a ganhar uma música em sua homenagem no monólogo Sunday

O fato de Superbia não ter chegado aos palcos foi muito frustrante para o seu criador. Era uma ficção científica muito aquém dos padrões da Broadway na época. Mesmo assim, o potencial do compositor foi reconhecido. “Dá próxima vez, tente escrever sobre algo que você conhece”, diz a produtora. Um tempo depois, Tick, Tick… Boom! e, posteriormente, o fenômeno Rent, nascem trazendo histórias que colocam Larson um pouco mais dentro realidade através de temas como o estigma da Aids, vício em drogas e a homossexualidade. Assim, o jovem prodígio conquistou o mundo. E partiu cedo demais.

Continua após a publicidade

Publicidade