Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Tela Plana Por Blog Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming

Jô, vilã de ‘A Dona do Pedaço’, não sai da cadeia nem com ajuda do STF

Até o noveleiro Walcyr Carrasco brincou com a situação da assassina patricinha, cujo julgamento — em primeira instância — acontece nesta semana

Por Eduardo F. Filho - Atualizado em 11 nov 2019, 19h11 - Publicado em 11 nov 2019, 19h01

Em meio à soltura, no final da semana passada, de figurões presos na Lava Jato como o ex-presidente Lula e o ex-ministro José Dirceu, uma pergunta passou a intrigar os fãs de novelas: quando é que Josiane (Agatha Moreira), a vilã patricinha de A Dona do Pedaço, será beneficiada pela decisão do STF? O julgamento da filha da boleira Maria da Paz (Juliana Paes) acontecerá nesta semana — ou seja, a rigor a moça nem deveria estar presa, pois ainda nem foi julgada em primeira instância. Mesmo assim, continua presa por dias e dias a fio. Uma injustiça com Jo — e com o pobre espectador.

A detenção de Jô virou um assunto quente nas redes sociais, e não só por sua longa duração na trama. Como boa parte dos lances da reta final da novela envolvem a personagem, sua cela virou palco de uma romaria de visitantes sem fim. É muita chave para pouca cadeia. Note-se que Jô, que é nojentinha mas elegantíssima, continua usando o mesmo tailleur impecável desde que entrou em cana.

Assumindo ares de ministro de um hipotético “STN” (Supremo Tribunal Noveleiro), o autor Walcyr Carrasco entrou na brincadeira. No domingo 10, ele escreveu em seu Instagram: “Todo mundo sendo solto hoje… Com certeza vão soltar a Josiane também”. Mas ainda falta passar muita água por baixo dessa ponte. Dentro da cadeia, consta que a vilãzinha se transformará em uma serva de Deus: ela se converterá em evangélica.

View this post on Instagram

Publicidade

Vejam o que postaram no face! Será? #adonadopedaco @agathaamoreiraa

A post shared by ᴡᴀʟᴄʏʀ ᴄᴀʀʀᴀsᴄᴏ (@walcyrcarrasco) on

Vale recapitular os pecados de Jô. A moça cometeu dois assassinatos: executou o serviçal Jardel (Duio Botta) e o namorado dele. Além disso, tentou matar outras duas pessoas — seu próprio namorado, Téo (Rainer Cadete), e a também vilã Fabiana (Nathalia Dill). Pesa contra a moça uma prova irrefutável debatida à exaustão na novela: uma fotografia que flagra Jô empurrando Jardel na frente da jamanta que o matou atropelado. Quase todos os personagens sabiam da existência da tal foto — e o espectador já cansou de ouvir a mesma história.

Coisas de novela: como era preciso fazer a trama render, a foto pulou de celular para celular –—só a polícia, como sempre em novelas, demorou para notar do que se tratava. Primeiro, a foto surgiu no celular de Fabiana, que chantageou Josiane para botar as mãos na empresa e na grana que a vilãzinha já havia roubado da mãe, Maria da Paz. Depois, em uma jogada não muito criativa, a imagem foi parar nas mãos de Téo (Rainer Cadete) graças à ajuda de um hacker. Encurralada, Jô quase matou Téo perfurado por um picador de gelo num motel. Quando todos achavam que a foto havia se perdido, eis que ressurge das cinzas um celular reserva, que ninguém sabia que Téo possuía.

Publicidade

Enquanto o caso de Jô não transitar em julgado, vai sobrar para o espectador proferir o veredito: ela sai da cadeia ou não sai?

Publicidade