Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Tela Plana Por Blog Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming

Ciência atesta: filmes natalinos são conforto em fim de ano caótico

A biologia explica por que produções do filão satisfazem tanto o público - e a Netflix agradece, ampliando catálogo do gênero; veja opções

Por Amanda Capuano 23 dez 2020, 15h48

Chega novembro e é sempre a mesma história: as lojas tiram o pisca-pisca do armário, a família começa a discutir as comidas de fim de ano e os filmes natalinos pipocam na TV e nas plataformas de streaming. Em um ano tão caótico quanto 2020, é natural que muita gente não esteja no clima da festividade. Afinal, para muitos, este será o primeiro Natal sem entes queridos à mesa. É o corolário de um ano que não foi fácil, enfim.

Por isso mesmo, as abundantes produções natalinas ganharam um novo sentido em 2020 — e a ciência, que também apanhou muito em 2020, está aí para explicar por quê. Quando assistimos a uma comédia romântica, por exemplo, gênero recorrente no Natal, nosso corpo libera ocitocina e dopamina, os hormônios do amor e do bem-estar, respectivamente. É daí que vem aquela sensação gostosa que muita gente têm depois de ver um final feliz. Segundo a psicóloga Pamela Rutledge, os filmes natalinos oferecem soluções simples para situações estressantes do fim de ano, como conflitos familiares, isolamento (alô, 2020) e problemas financeiros. “O cérebro humano ama padrões e a previsibilidade é algo reconfortante. Esses arcos previsíveis têm origem nos contos de fadas e confortam por mostrar a vida de um maneira simples”, explicou a pesquisadora em entrevista à rede americana NBC. Em resumo: assistir a filmes natalinos faz bem para a saúde mental.

Um Invenção de Natal, disponível na Netlix
Um Invenção de Natal, disponível na Netlix Netflix/Reprodução

Talvez por tal razão, história natalina nunca sai de moda. Entre novembro e dezembro, os filmes com a temática do bom velhinho se alternaram entre os mais assistidos da Netflix, que recheou o catálogo para a temporada. Entre os mais populares, o divertido As Crônicas de Natal e a sua continuação, As Crônicas de Natal 2, agradam a adultos e crianças. Na trama, a pequena Kate e o irmão mais velho, Teddy, ficam sozinhos em casa na véspera de Natal. Afetado pela morte do pai, que era apaixonado pela data, Teddy não quer comemorar, mas é convencido pela irmã a bolar um plano para filmar o Papai Noel, em quem ela acredita piamente. A partir daí, os dois entram em uma aventura para salvar o Natal, o que se mostra também uma jornada de cicatrização depois da partida do pai — uma mensagem sensível em um ano com tantas perdas. Também para ver com a família, o musical Uma Invenção de Natal acompanha um fabricante de brinquedo que precisa salvar sua loja mas, para isso, deve antes voltar a acreditar em si mesmo. Ele conta com a ajuda da neta, uma garotinha-prodígio guiada pela matemática e pela magia natalina.

O streaming também possibilitou certa diversidade natalina este ano. Os temas, no geral, sempre giram em torno do amor, da família e da esperança, mas as plataformas deram espaço a comemorações para além da tradicional Nova York nevada. Tudo Bem No Natal que Vem, do comediante Leandro Hassum, tem piada do pavê, disputa pelo peru, lavagem de roupa suja e muito calor. Na trama, Jorge (Hassum) bate a cabeça na véspera de Natal e passa a acordar todos os anos no mesmo dia, sem a lembrança do ano que passou — enquanto isso, uma outra versão sua vive o resto do ano normalmente, mas ele não é das melhores pessoas. O Jorge natalino, por outro lado, percebe a importância da família na sua vida, e o quanto está perdendo. Contrariando tudo o que se espera de Leandro Hassum, é bem possível que, entre uma risada e outra, ele arranque algumas lágrimas dos mais sensíveis. Agora, se você quer fugir do Natal brasileiro e explorar a dramaturgia de novos países, vale conferir as séries Namorado de Natal, que acompanha a saga de uma norueguesa para encontrar um pretendente durante a festa e a alemã Um Natal Nada Normal, com muito drama e climão familiar.

Leandro Hassum estrela o filme 'Tudo Bem no Natal que Vem'
Leandro Hassum estrela o filme ‘Tudo Bem no Natal que Vem’ //Divulgação

As comédias românticas, é claro, também marcaram presença.  O último título em alta é Um Brinde ao Natal, e também narra uma história de perdas. Callie (Lauren Swickard) é uma jovem fazendeira que lida com perdas familiares enquanto cuida da irmã mais nova e da mãe. A fazenda da família está cheia de dívidas e o ricaço Joseph (Josh Swickard — sim, os protagonistas são casados na vida real) é enviado pela mãe, presidente de uma corporação importante, para convencê-la a vender o terreno. Para isso, ele se disfarça de ajudante e passa a viver na fazenda para ganhar a confiança de Callie. Mas é claro que no meio do plano todo ele se apaixona pela camponesa, e o resto da história você já imagina.

Se a realidade anda dura demais para você, A Princesa e a Plebeia, com Vanessa Hudgens no protagonismo, apela para o imaginário de príncipes e princesas para mostrar a magia natalina com uma pitada de conto de fadas. Muito provavelmente, o espectador não irá se casar com um príncipe encantado de um reino desconhecido, nem sequer encontrar como sósia uma rainha que se apaixona pelo seu melhor amigo. Mas não custa nada sonhar, né – e o streaming está aí para ajudar-nos a superar o caos de 2020.

Continua após a publicidade
Publicidade