Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Quem canta ‘Parabéns’ deseja que os bens… parem?!

l

“Olá! Ultimamente, tenho ouvido (com dor nos ouvidos) a expressão ‘muitos bens’ na hora de cantar ‘Parabéns’ para alguém que aniversaria. Bem, segundo as pessoas que estão fazendo tal substituição, é para que o/a aniversariante tenha ‘muitos bens’, literalmente, pois se cantarem ‘Parabéns’ estarão declarando que os bens do homenageado sejam ‘parados’. Fica no mínimo ridículo cantar assim, mas gostaria de uma explicação que me dê base concreta, na língua portuguesa, para reafirmar a eles que isso é desnecessário. Aguardo resposta. Obrigada!” (Dilene Gonzaga)

A “novidade” flagrada por Dilene – da qual estou ouvindo falar pela primeira vez – é tão evidentemente uma sandice que quase somos levados a supor que nem vale a pena desmenti-la.

Quase – pois é. Como o português brasileiro tem sido há anos solo fértil para todo tipo de asneira sabichona, é melhor não baixar a guarda.

“Parabéns” é uma palavra que nasceu singular, “parabém”, no início do século XVII, pela junção da preposição “para” – que entre outros sentidos tem o de indicar propósito, intuito ou direção – com o substantivo “bem”. É um vocábulo que expressa, como se sabe, felicitações, votos para o bem. O verbo “parar” não tem rigorosamente nada a ver com isso.

Chega a ser difícil acreditar que uma tese tão tola possa encontrar quem lhe dê crédito (“Ei, pessoal, há séculos cantam errado, vamos fundar uma nova era de sabedoria aqui em torno deste bolo!”), mas só até nos lembrarmos de outras pérolas sabichonas que têm feito sucesso, como “Quem tem boca vaia Roma” (leia mais sobre isso aqui).

*

Envie sua dúvida sobre palavra, expressão, dito popular, gramática etc. Às segundas, quartas e quintas-feiras o colunista responde ao leitor na seção Consultório. E-mail: sobrepalavras@todoprosa.com.br (favor escrever “Consultório” no campo de assunto).

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Wilson Rodrigues

    Em nosso Brasil varonil tudo é possível, desde irmos ao tiatro até frequentarmos acadimia, portanto, nada mais é surpresa, pode chocar, quando muito.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Ricardo Melo

    Vanderson, acho que você, talvez, esteja confundindo com “apartar”.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Sergio Carneiro

    Entendo até a origem dessa confusão, o prefixo “para” tem dois principais significados: Juntos/a favor ou separado/opor-se.
    Paraquedas(opõe-se a queda), paradigma(opõe-se que é estabelecido como verdade), paradoxo (opõe-se a opinião-doxa), paranormal (opõe-se a normalidade).
    Parasita (junto com alimentos-sita), paranomásia (junto com o nome), paralelos( junto com outro-alos) e parabéns (junto com os bens).

    Curtir

  4. Comentado por:

    Marcia Bosch

    Bolo horrível, gente!!

    Curtir

  5. Comentado por:

    Gilberto Gaia

    É cada uma que aparece… mas me fez lembrar que já ouvi gente cantar, principalmente no Rio, é big, é big, é big, em vez de é pique,é pique, é pique…

    Curtir

  6. Comentado por:

    Pedro Werner

    Fantásticas as suas observações, Professor Sérgio! Fico feliz por ver, tanto em sua coluna quanto em alguns dos comentários abaixo, que existem pessoas de bom senso, que não se deixam levar pelos revisionistas de plantão. De todas as sandices sabichonas que você apontou, a que mais me causa mal estar é a “risco de morte”. Obrigado!

    Curtir

  7. Comentado por:

    Teresa

    Em espanhol se diz “parabienes”. Suponho que a origem e a mesma.

    Curtir

  8. Comentado por:

    Enio

    O pior não é a letra mas o fato do aniversariante ter que assoprar para apagar a velinha, e lá se vão as bactérias para todos comerem . Eca.

    Curtir