Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Performance: se é proparoxítona, cadê o acento?

“Por que a palavra performance é pronunciada como proparoxítona, se não tem acento?” (Julio Holtz)

Simples, Julio: porque performance não é uma palavra da língua portuguesa, mas um empréstimo que fomos buscar no inglês. Nossos dicionários, reconhecendo seu uso na língua do dia a dia, a registram, mas sem abrir mão do itálico que, pelo rigor das convenções, deveria discriminar os vocábulos estrangeiros.

Sim, esse itálico é ignorado pelos falantes, inclusive pela imprensa. Sensatamente, aliás: se fôssemos grifar cada marketing, cada show, cada internet que cruzam nosso caminho, a poluição gráfica de nossos textos seria cômica. De uso comum, mas resistentes ao aportuguesamento por razões diversas, essas palavras terminam por habitar uma zona cinzenta de fronteira.

(Acho que podemos deixar de lado a discussão sobre ter sido necessária ou supérflua a importação da palavra performance, quando tínhamos à nossa disposição desde o início do século XVIII o substantivo desempenho, que dá conta da maior parte de seus significados. Necessária ou não, a importação se consumou, e hoje performance tem acepções – um tipo específico de manifestação artística, por exemplo – que a palavra desempenho nem sonha em cobrir.)

Como vocábulo estrangeiro não aportuguesado, performance tem permissão para soar – mais ou menos – como em sua língua de origem, sem que a grafia precise traduzir tal perfil acústico segundo as regras do português. Como Julio bem observou, a palavra teria que virar “perfórmance” para se manter proparoxítona, caso fosse aportuguesada. Às vezes essa grafia aparece por aí, mas ainda parece ser de uso marginal.

A solução oposta, tentar mudar a pronúncia para adequá-la à grafia, teria o defeito grave de ignorar que a fala é sempre anterior à escrita na edificação de toda língua. Isso não impediu os sábios de aportuguesarem outro termo que importamos do inglês, o substantivo recorde (de record), sem acento, insistindo na pronúncia como paroxítona (recórde).

Não é uma experiência que se possa considerar um êxito. Neste caso o resultado, pelo menos no Brasil, é um amplo movimento de desobediência civil a favor da prosódia récorde.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Leonardo Vargas

    O certo seria dizer que as paroxítonas (penúltima sílaba tônica) terminadas em ‘e’ não vai acento. Por isso abrimos mão de escrever ‘recórde’ e escrevemos (corretamente) ‘recorde’ sem acento.

    Curtir

  2. Comentado por:

    sergiorodrigues

    Leonardo: é óbvio que recorde, sendo palavra paroxítona, não leva acento. O que eu disse é que sua pronúncia como proparoxítona, muito comum no Brasil (e não só entre “ignorantes”, como afirmou alguém aí embaixo), tornaria obrigatório o acento.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Jão Guerra

    O termo “record” com pronúncia de récorde ao invés de recorde acaba sendo mais favorecida pela Globo. Devido principalmente ao fato da emissora Record ser sua concorrente. E por isso, acaba influenciando o povão que assiste jornal nacional, grande massa brasileira.
    Agora palavras como “performance”, “customize”, “time” e “up” que têm o mesmo significado na língua portuguesa utilizadas comumente, para mim não passa de uma pobreza do menor calão possível. Se quiser falar palavras em inglês, vá morar em países com idioma oficial inglês ou vá aprender inglês em um cursinho qualquer e morar lá!

    Curtir