Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

Palavra ‘terrorismo’ nasceu na Revolução Francesa

Foto de John Tlumacki/Boston Globe/Getty Images Transformado em Palavra da Semana pelas bombas de Boston, o vocábulo terrorismo, como costuma ocorrer, é mais novo do que aquilo que nomeia. O “uso sistemático de violência para criar um clima de medo generalizado numa população e dessa forma atingir um determinado objetivo político” – definição genérica e […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 06h25 - Publicado em 20 abr 2013, 10h00

Foto de John Tlumacki/Boston Globe/Getty Images

Transformado em Palavra da Semana pelas bombas de Boston, o vocábulo terrorismo, como costuma ocorrer, é mais novo do que aquilo que nomeia. O “uso sistemático de violência para criar um clima de medo generalizado numa população e dessa forma atingir um determinado objetivo político” – definição genérica e competente da Britannica Concise Encyclopedia – já era uma arma política empregada na antiguidade, segundo o mesmo verbete. A palavra, porém, nasceu com a Revolução Francesa, no período que ficou conhecido como Reino do Terror (1793-1794) comandado por Maximilien de Robespierre, líder dos jacobinos, quando milhares de pessoas foram mortas na guilhotina.

A palavra francesa terrorisme (do latim terror, terroris, “terror, espanto”) foi empregada pela primeira vez em 1794 com o sentido preciso e restrito de “doutrina dos partidários do Terror”, o mesmo com que desembarcaria em inglês um ano depois (em português, o termo só foi dicionarizado em 1836). “Se a base de um governo popular em tempos de paz é a virtude”, discursou Robespierre, líder do Terror, “sua base em tempos de revolução é a virtude e o terror – virtude sem a qual o terror seria barbárie, e terror sem o qual a virtude seria impotente”. Disse isso em 1794, pouco antes de ser derrubado do poder e adequadamente guilhotinado também.

“Embora normalmente se pense nele como uma forma de desestabilizar ou derrubar instituições políticas, o terror também tem sido empregado por governos contra seu próprio povo para suprimir o dissenso”, prossegue a Britannica. Foi exatamente o que ocorreu no nascimento da palavra.

Continua após a publicidade

Publicidade