Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

O vago (vazio) e o vago (impreciso) são a mesma palavra?

Não: trata-se de dois adjetivos, cada um com sua história. Mas que parecem o mesmo, parecem

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 00h38 - Publicado em 24 ago 2015, 14h27

“Caro Sérgio, o adjetivo ‘vago’ de ‘lugar vago’ é o mesmo adjetivo ‘vago’ de ‘ideias vagas’? Imagino que seja, mas não entendo qual seria a relação entre os dois sentidos de vago, o de vazio no primeiro caso e o de nebuloso no segundo. Grande abraço.” (Jairo Mattos)

A ótima consulta de Jairo nos permite falar de duas sósias perfeitas, duas palavras rigorosamente homônimas que, no entanto, têm origens e sentidos diferentes.

O adjetivo “vago” que significa “vazio, desocupado, desabitado, sem dono”, termo nascido no século XIV, é um descendente do latim vacuus, parente do vácuo e da vaga de estacionamento.

Cerca de um século mais novo, o “vago” que quer dizer “impreciso, ambíguo, inconstante” também tem um antepassado latino, mas de outra família: vagus, “que vagueia, errante”. A ideia é que a coisa vaga, por vagar por aí e estar cada hora num lugar, não permite uma leitura precisa ou nítida de seus contornos: “planos vagos”, “vagamente aliviado”. Os parentes aqui são o vagabundo e o vagalume.

Quando se pensa no substantivo ligado a cada um desses adjetivos, a diferença entre eles aparece claramente: o estado daquilo que está vago (vazio) é chamado de vacuidade; o daquilo que é vago (impreciso), de vagueza ou vaguidão.

*

Envie sua dúvida sobre palavra, expressão, dito popular, gramática etc. Às segundas, quartas e quintas-feiras o colunista responde ao leitor na seção Consultório. E-mail: sobrepalavras@todoprosa.com.br (favor escrever “Consultório” no campo de assunto).

Continua após a publicidade
Publicidade