Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O que o garçom tem a ver com o ‘garçon’?

garçon monty python

“Prezado Sérgio: o nosso uso da palavra garçom tem sua origem no ‘garçon’? Se sim, ‘pourquoi’?” (João Henrique Sampaio)

Sim, João Henrique, nossa palavra garçom é tomada diretamente do francês garçon, que tem a acepção primária de “moço, garoto, jovem do sexo masculino”.

Nosso sentido moderno de garçom (“empregado encarregado de servir as pessoas em restaurantes, cafés, coquetéis, residências etc.”, na definição do Houaiss) passou a ser usado em francês em meados do século XVIII, segundo o Trésor de la Langue Française, e entre nós no último quarto do século XIX, tempo de galicismos em profusão. Os puristas chiavam, mas não podiam evitar que muitas palavras deitassem raízes no português.

Antes disso, desde o século XIII, já se registrava em nosso idioma o vocábulo garção, hoje praticamente em desuso, mas apenas na acepção de “moço”.

É curioso observar como a sombra do empregado, do serviçal, daquele que trabalha atendendo os outros, esteve presente desde o início no francês garçon, uma palavra oriunda do frâncico wrakkjo (“vagabundo”) e que em sua primeira encarnação era grafada garçun.

Segundo o mesmo TLF, citado acima, o sentido mais antigo de garçun, datado do ano 1100, era “rapaz de classe social inferior, especialmente no exército, na cozinha, na caça”. No francês antigo, explica o dicionário, valet e garçon eram palavras carregadas de sentido de classe: “A criança nobre era chamada valet, e a criança de classe social inferior, garçon”.

*

Envie sua dúvida sobre palavra, expressão, dito popular, gramática etc. Às segundas e quintas-feiras o colunista responde ao leitor na seção Consultório. E-mail: sobrepalavras@todoprosa.com.br

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Joe Silva

    Nunca chame um garçom de garçon na França, se não quiser levar com a bandeja na cabeça.
    Diga Monsieur.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Simão

    E garçonete, Sérgio, é o feminino de Garçom?
    De simpáticas senhoras e senhoritas que exercem o ofício de servir comida e bebidas em restaurantes tenho ouvido que elas não são garçonetes, sob o argumento de que não trabalham em lanchonetes. A mim, me parece, que garçonete é apenas o feminino de garçom, o que você acha?
    E no Francês, qual é o feminino de “garçon”?

    Curtir

  3. Comentado por:

    sergiorodrigues

    Simão, o francês ‘garçonnette’ é o feminino de ‘garçonet’, diminutivo de ‘garçon’. Literalmente, “garotinha”. Em português é simplesmente o feminimo de garçom, seja em lanchonete ou em restaurante de luxo.

    Curtir

  4. Comentado por:

    Santanowiski (SP)

    Nas antigas acepções, “valet” se traduziria hoje por garoto, guri, petiz; e “garçon”, se traduziria por moleque. Confirmo o que disse Joe Silva (17:24) sobre os riscos de se chamar um garçom na França de ‘garçon’. O certo é chamá-lo de ‘monsieur’. Mas pelas costas é ‘garçon’ mesmo.

    Curtir

  5. Comentado por:

    pericles

    Apesar do galicismo, na França não chame o garçom de “garçon”. É considerado pejorativo; o correto é chamá-lo “monsieur”.

    Curtir

  6. Comentado por:

    Luciano

    É interessante que os portugueses, que me parecem mais afeitos a galicismos do que os brasileiros, usam neste caso empregado de mesa.

    Curtir

  7. Comentado por:

    Casca Fina

    Quem não nasceu para servir, não serve para ser garçom.

    Curtir

  8. Comentado por:

    Marcelo

    Sei que não tem nada a ver com o texto, aliás excelente, do prezado Sérgio Rodrigues. Mas acho um absurdo que no Brasil muitos continuem com a prática tosca e mal educada de chamar um garçom com assobios, como se fosse um cachorro. E já vi isso até em restaurantes caros e finos, o que mostra que educação não tem a ver com classe social, mas vem de berço.

    Curtir