Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

‘Muito pouco’ está certo?

“Está certo falar ou escrever ‘muito pouco’? Como pode ser muito, se é pouco? Como pode ser pouco, se é muito?” (Alice Vergara) Não há nada errado com a expressão “muito pouco”. Trata-se de um par de advérbios em que o primeiro intensifica o segundo, dando-lhe grau superlativo. “Muito pouco” equivale a “pouquíssimo”. Imagine-se a […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 04h00 - Publicado em 24 abr 2014, 16h54

“Está certo falar ou escrever ‘muito pouco’? Como pode ser muito, se é pouco? Como pode ser pouco, se é muito?” (Alice Vergara)

Não há nada errado com a expressão “muito pouco”. Trata-se de um par de advérbios em que o primeiro intensifica o segundo, dando-lhe grau superlativo. “Muito pouco” equivale a “pouquíssimo”.

Imagine-se a seguinte construção: “Ela come muito pouco”. “Pouco” é um advérbio que se refere ao verbo comer, enquanto “muito” é um advérbio que intensifica “pouco”.

Também é possível encontrar a seguinte construção, que é semelhante, mas não idêntica: “Ela sente muito pouca fome”.

Neste caso, “pouca” não é advérbio, mas aquilo que os gramáticos classificam como pronome indefinido em papel de adjetivo, significando “escassa, insuficiente” – razão pela qual sofre flexão (neste caso, de gênero) para concordar com o substantivo “fome”.

“Muito” aqui ainda é um advérbio, e portanto permanece invariável. Não se diz “muita pouca”.

*

Envie sua dúvida sobre palavra, expressão, dito popular, gramática etc. Às segundas, quartas e quintas-feiras o colunista responde ao leitor na seção Consultório. E-mail: sobrepalavras@todoprosa.com.br

Continua após a publicidade
Publicidade