Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

‘Ficou a ver navios’, de onde vem isso?

Tese mais provável sobre origem dessa expressão portuguesa remete a D. Sebastião

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 00h31 - Publicado em 10 set 2015, 16h48

Retrato_de_D._Sebastião,_c._1600

“Por que, quando uma pessoa se dá mal por alguma razão, dizemos que ela ficou a ver navios? Nunca entendi o que uma coisa tem a ver com a outra. Obrigada.” (Regina Tostes)

A expressão “ficar a ver navios” – que significa “não obter o que esperava”, segundo o Houaiss – é antiga e, como costuma ocorrer nesses casos, de origem nebulosa, difícil de precisar. Como um navio que mal azula no horizonte.

Parece pacífico que surgiu em Portugal, como indica a construção “a ver” – no português brasileiro, a mesma ideia seria mais provavelmente expressa por “vendo”.

O pesquisador Luís da Câmara Cascudo apresenta duas teses sobre “a ver navios”. A primeira é uma referência “à lenda do rico Pedro Sem, mercador no Porto, cujos barcos naufragaram à sua vista quando desafiava Deus a fazê-lo pobre”.

No entanto, a hipótese que mais agrada ao estudioso – e também a mim – é a que faz da expressão mais um dos filhotes culturais do Sebastianismo, a velha crença popular (tanto lusitana quanto brasileira) na volta triunfal de D. Sebastião (imagem acima), o rei de Portugal que morreu jovem na batalha de Alcácer-Quibir em 1578.

“Creio mais lógico”, escreve Câmara Cascudo, “constituir [a expressão] referência aos sebastianistas que iam ao Alto de Santa Catarina, em Lisboa, esperar a vinda da nau que traria o ‘Encoberto’. ‘Está a ver navios no Alto de Santa Catarina!” era a imagem desses devotos, teimosos e fiéis ao Rei.”

*

Envie sua dúvida sobre palavra, expressão, dito popular, gramática etc. Às segundas, quartas e quintas-feiras o colunista responde ao leitor na seção Consultório. E-mail: sobrepalavras@todoprosa.com.br

Continua após a publicidade
Publicidade