Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

Está certo dizer que uma fruta está ‘de vez’?

“Existe o adjetivo ‘de vez’ ou ‘devez’ para se referir a frutas ou verduras que estejam naquele estado entre verde e madura? Já ouvi muito isso (e falei muito quando criança), mas nunca vi nenhuma referência na literatura. Obrigado.” (Iosnir Siqueira) Sim, Osnir, a locução adjetiva “de vez” é um brasileirismo consagrado. Qualifica a fruta […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 02h45 - Publicado em 29 out 2014, 15h57

“Existe o adjetivo ‘de vez’ ou ‘devez’ para se referir a frutas ou verduras que estejam naquele estado entre verde e madura? Já ouvi muito isso (e falei muito quando criança), mas nunca vi nenhuma referência na literatura. Obrigado.” (Iosnir Siqueira)

Sim, Osnir, a locução adjetiva “de vez” é um brasileirismo consagrado. Qualifica a fruta que está perto de amadurecer, mas ainda conserva algo de verde.

Para o Houaiss, quer dizer “quase maduro”. O Dicionário de Usos de Francisco Borba se estende um pouco mais: “Quase maduro, em tempo de colher, mas não de ser consumido”. O Aurélio se cala, infelizmente, mas a definição de Iosnir também é boa: “naquele estado entre o verde e o maduro”.

Embora a origem da expressão seja menos clara que seu sentido, é provável que a chave esteja naquele “em tempo de colher” mencionado por Borba: “de vez” seria o que está na vez de ser colhido, a fim de aguardar o amadurecimento em segurança, longe do pé e das ameaças representadas por fenômenos atmosféricos, pássaros e moleques indomáveis.

(Borba só deixa de levar em conta, ao dizer que as frutas de vez ainda são impróprias para consumo, que não falta quem prefira sua consistência mais firme e seu sabor equilibrado entre o doce e o amargo.)

Continua após a publicidade

“É possível que a urbanização desenfreada das últimas décadas esteja tornando antigo esse jeito de falar, mas acho que “de vez” é figurinha fácil demais no Brasil rural e suburbano para entregar os pontos sem luta. Há indícios de sua presença em diversas regiões também.

Quanto à presença na literatura, que não é pequena, basta citar um trechinho de “Menino de engenho”, livro de estreia de José Lins do Rego, baseado em sua infância no interior da Paraíba e lançado em 1932. O narrador do romance conta que perdeu a virgindade aos 12 anos com uma prostituta chamada Zefa Cajá – e faz de “fruta de vez” uma metáfora de sua precocidade:

Ela me acariciava com uma voracidade animal de amor: dizia que eu tinha gosto de leite na boca e me queria comer como uma fruta de vez.

*

Envie sua dúvida sobre palavra, expressão, dito popular, gramática etc. Às segundas, quartas e quintas-feiras o colunista responde ao leitor na seção Consultório. E-mail: sobrepalavras@todoprosa.com.br (favor escrever “Consultório” no campo de assunto).

Continua após a publicidade
Publicidade