Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Dois pesos e duas medidas’ está certo? Está

“Meu caro Sérgio, com relativa frequência leio críticas ao emprego da expressão ‘dois pesos, duas medidas’ para designar reações diversas diante de um mesmo fato. Exemplo típico é o posicionamento dos petistas frente a malfeitos dos políticos. Se o político é adversário, é ladrão, mas se é aliado é um perseguido, injustiçado, inocente presumido etc. A princípio, a mim me parece correto o emprego, nesses casos, da expressão que transmite a ideia de uso de dois pesos ou duas medidas para qualificar uma mesma situação de fato, segundo a conveniência do interessado. Gostaria de ouvir sua sábia opinião sobre o assunto. Forte abraço.” (José Araújo)

Não há nada errado com a expressão “dois pesos e duas medidas”, que denuncia, como se sabe, uma injustiça e uma desonestidade – o julgamento de atos semelhantes segundo critérios diversos, conforme seus autores sejam mais ou menos simpáticos a quem julga.

Essa é sem dúvida a forma clássica da expressão, que tem origem bíblica e é empregada em diversas línguas: em inglês, para citar apenas um exemplo, fala-se em two weights and two measures.

As críticas que Araújo afirma encontrar à expressão, e que de fato circulam há algum tempo, são fruto da sabichonice que costuma turvar os debates sobre a língua. Segundo tal corrente, a expressão correta seria “um peso e duas medidas”, pois só esta enfatiza o fato de estarmos diante de um mesmo mérito (um peso) e dois julgamentos diferentes.

Tomado isoladamente, o argumento até faz sentido, mas em termos históricos é um equívoco. A expressão não se refere a duas medições para o mesmo peso, mas a dois pesos e dois metros, artimanhas de comerciante desonesto.

Muita gente boa acaba enganada em sua boa-fé por invenções desse tipo. Como aquela outra, sabe-se lá baseada em quê, segundo a qual o ditado correto é “Quem tem boca vaia Roma” – e não “Quem tem boca vai a Roma”.

No caso presente, faltou combinar com a Bíblia, onde se lê, no Deuteronômio (25:13-16), a passagem que deu origem a “dois pesos e duas medidas”:

Não carregueis convosco dois pesos, um pesado e o outro leve, nem tenhais à mão duas medidas, uma longa e uma curta. Usai apenas um peso, um peso honesto e franco, e uma medida, uma medida honesta e franca, para que vivais longamente na terra que Deus vosso Senhor vos deu. Pesos desonestos e medidas desonestas são uma abominação para Deus vosso Senhor.

*

Para dar conta do grande número de consultas dos leitores, esta semana, excepcionalmente, a seção Consultório está sendo publicada também na terça-feira. Semana que vem as Curiosidades Etimológicas estarão de volta.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Ex-marxista

    O certo é “um peso, duas medidas”. Sei disso porque sou a reencarnação de Sócrates, segundo Platão em sua teoria da metempsicose. E tenho dito!!!

    Curtir

  2. Comentado por:

    Ex-marxista

    Tive ainda agora uma anamnese e avistei a expressão “um peso e duas medidas” no mundo das ideias. Agora tenho certeza absoluta!!!

    Curtir

  3. Comentado por:

    Mário Zambonin

    Vamos pensar um pouco?
    O peso não é o mérito, e sim o parâmetro de acordo com o qual o mérito é julgado. O julgamento de um mesmo mérito (em dois casos semelhantes) com dois pesos diferentes resultará em duas medidas diferentes (ou seja, em duas sentenças diferentes). A injustiça que a locução exprime consiste precisamente nisso.
    No mais, se o peso fosse o mesmo, seria impossível obter dele duas medidas…

    Curtir

  4. Comentado por:

    Levikaly

    Tem muitas maneiras de interpretar a origem do ditado. Aí vai mai uma:
    Em determinado momento na Europa usava-se, do lado da Inglaterra a Libra e a Jarda e no resto da Europa o quilo (kg) e o metro. Daí, nas relações comerciais quando alguém usava dois pesos e duas medidas, todos se entendiam (exemplo: esta barra de ferro tem 10 jardas ou 8 metros e pesa 15 kg ou 32 libras) porém quando alguém usava o Kg e a libra para pesar, mas usava somente a jarda para medir, estava errado.
    Resumindo, o seu Ernesto teria que usar “dois pesos e duas medidas”, senão seria desErnesto.

    Curtir

  5. Comentado por:

    Paulo

    Acredito que tanto “dois pesos e duas medidas” quanto “um peso e duas medidas” estejam corretas. No entanto, a primeira frase faz referência a uma fato biblico, enquanto que a segunda é uma referência socrática.

    Curtir

  6. Comentado por:

    Abdiel

    A origem do termo, como já foi dito, é bíblico. Mas, além de encontrarmos no livro de Deuteronômio 25.13-16, encontramos também no livro de Provérbios 20.10: “Dois pesos diferentes e duas espécies de medida são abominação ao Senhor, tanto um como outro”. O texto refere-se ao caráter do individuo, em virtude de suas atitudes de justiça”; como se lê no verso 7, do mesmo capítulo 20 de Provérbios: “O justo anda na sua integridade; bem aventurados são os seus filhos depois dele”.

    Curtir

  7. Comentado por:

    Junior

    Essa discussão está parecendo aquela que surgiu com a cartilha dos petistas onde, por exemplo, falar “lavar meus carro” está certo. A expressão ‘dois pesos e duas medidas’ não faz sentido algum do ponto de vista lógico, pode falar que está na bíblia ou que tem referência em várias línguas e tals, não faz sentido, é uma construção fantasiosa e equivocada que quer dizer nada com nada.
    Seu paralelo é absurdo. Trata-se de dois pesos (g), um honesto e um desonesto, e duas medidas (m), uma honesta e uma desonesta, entendeu?

    Curtir

  8. Comentado por:

    Zélio Andrezzo

    A muitas décadas venho achando essa expressão muito estranha. A meu ver ela nunca fez sentido, seria como trocar seis por meia dúzia. Se tenho duas medidas e dois pesos, posso não ter diferença nenhuma na conclusão. Já partindo do princípio que duas pessoas cometeram o mesmo crime, e uma foi condenada enquanto a outra absolvida, posso aplicar a expressão “um peso e duas medidas”. Um peso: os mesmos crimes. Duas medidas: julgamentos com resultados diferentes. É isso.
    Diante de sua insistência nesse argumento torto, prefiro acreditar que você (como o Júnior aqui embaixo) não tenha sequer parado para ler o texto acima. Se o tivesse lido, entenderia que embarcou num papo furado sabichão. É o seguinte: dois pesos referem-se, digamos, a 1kg que pesa 1kg e “1kg” que pesa 950g; duas medidas, a um metro que mede 1m e um “metro” que mede, por exemplo, 95cm. Sabe comerciante desonesto, que rouba no fubá e no tecido? Se tivesse um peso e duas medidas, só conseguiria roubar no tecido. É isso. E nem é tão difícil assim.

    Curtir

  9. Comentado por:

    Zélio Andrezzo

    Então você concorda que são duas coisas completamente diferentes. Dois pesos e duas medidas dizem exatamente a mesma coisa (ou você usa dois pesos, ou usa duas medidas) no caso de um peso e duas medidas não existe redundância sabichão. Reflita com racionalidade.
    Desisto.

    Curtir

  10. Comentado por:

    Zélio Andrezzo

    Sua explicação faz total sentido, claro.Ocorre que a nossa maneira de ver coloca duas definições para o mesmo o mesmo comportamento. É isso.

    Curtir