Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

De onde veio a expressão ‘cheio de nove horas’?

“Minha dúvida é sobre a expressão ‘cheio de nove horas’, que meu pai gostava de usar para falar de uma pessoa fresca, complicada, cheia de manias. De onde veio isso? Por que nove horas?” (Camila Sampaio) A dúvida de Camila sempre me intrigou também. Quem nos socorre é o imprescindível Luís da Câmara Cascudo (1898-1986), […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 02h07 - Publicado em 12 fev 2015, 16h00

relógio antigo nove horas

“Minha dúvida é sobre a expressão ‘cheio de nove horas’, que meu pai gostava de usar para falar de uma pessoa fresca, complicada, cheia de manias. De onde veio isso? Por que nove horas?” (Camila Sampaio)

A dúvida de Camila sempre me intrigou também. Quem nos socorre é o imprescindível Luís da Câmara Cascudo (1898-1986), pesquisador natalense que escreveu, entre muitos outros livros, “Locuções tradicionais do Brasil”.

Câmara Cascudo começa falando da importância que antigamente, e por muito tempo, tinha na vida social – e não só na brasileira – o limite das nove horas da noite, “a hora clássica do século XIX, regulando o final das visitas, ditando o momento das despedidas”.

Qualquer um que teimasse em ficar na rua depois disso poderia ser “apalpado e revistado” pela polícia, e “apenas os boêmios, notívagos impenitentes, teimavam em afrontar os perigos da noite, da polícia, dos ladrões e capoeiras esfaimados”.

Continua após a publicidade

Não se deve imaginar que o limite estraga-prazeres das nove da noite tenha sido uma criação do século XIX. Câmara Cascudo cita uma frase reveladora do escritor português seiscentista Francisco Manuel de Melo: “Não dera ainda as nove horas, que é a taxa de todo cativeiro do matrimônio!”. Tradução: o marido que não voltasse para casa às nove estaria em apuros.

Mas o que isso tem a ver com o sentido de “cheio de nove horas” que chegou até nós e que intriga Camila – o de “cheio de frescura, de manias, de idiossincrasias, de salamaleques”? Com a palavra, o autor de “Locuções tradicionais do Brasil”:

Criou-se no século XIX a figura sestrosa, cerimoniática, meticulosa, do Cheio de Nove Horas, criatura infalível em citar regras, restrições, limites às alegrias dos outros, memorialista dos pecados alheios, fiel lembrete aos códigos e regulamentações, imperativas e dispensáveis, complicando as cousas simples.

*

Envie sua dúvida sobre palavra, expressão, dito popular, gramática etc. Às segundas, quartas e quintas-feiras o colunista responde ao leitor na seção Consultório. E-mail: sobrepalavras@todoprosa.com.br

Continua após a publicidade
Publicidade