Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Como era verde o meu dólar!

Dos limites da linguagem: conhecer a origem e a história do vocábulo dólar não fará nada para proteger suas economias num momento em que o real passa por um acelerado processo de desvalorização diante da moeda americana – o que explica que seja dólar a Palavra da Semana.

Em compensação, o conhecimento é gratuito e, ao contrário do que ocorre no mercado de câmbio, não vai deixá-lo mais pobre. Talvez até possa ser contabilizado como riqueza, daquele tipo intangível.

*

A palavra dólar foi usada em português pela primeira vez em 1818, ainda como dollar – o aportuguesamento viria mais tarde. De forma não surpreendente, o pioneirismo coube à linguagem diplomática.

Tratava-se, claro, de uma importação do inglês dollar, nome da moeda adotada oficialmente pelos Estados Unidos em 1785, a princípio de modo apenas formal, mas em circulação desde 1794.

Parece ter pesado em tal adoção o fato de a palavra não ter origem britânica, algo que àquela altura, depois da guerra de independência encerrada em 1783, poderia tornar o nome do dinheiro americano um palavrão. Mas qual era a origem de dollar?

A palavra tinha penetrado na língua inglesa em meados do século XVI para nomear uma moeda espanhola de prata, de ampla circulação nas então colônias hispano-americanas e, por contágio, também nas colônias britânicas da América do Norte. Segundo o dicionário Oxford, derivava de daler, termo do holandês e também de um dialeto alemão, corruptela do alemão culto taler (mais tarde thaler).

Taler ou thaler era inicialmente a forma abreviada com que se batizara em alemão uma moeda semelhante àquele peso espanhol, oriunda das minas de prata de Joachimsthal (o vale de São Joaquim), ou seja, a Joachimsthaler. Queria dizer, literalmente, “do vale”. A língua portuguesa registra a palavra táler, do vocabulário da numismática, para nomear essa moeda. Situada na região da Boêmia, aquela cidade hoje se chama Jáchymov e pertence à República Tcheca.

De lá para cá, o poder do dólar americano ajudou a tornar a palavra um sinônimo internacional de dinheiro. O Houaiss o registra como nome oficial da moeda dos seguintes países: Anguilla, Antígua, Austrália, Bahamas, Barbados, Belize, Bermudas, Brunei, Canadá, Cingapura, Dominica, Estados Unidos da América, Estados Unidos da Micronésia, Fiji, Granada, Guam, Guiana e Jamaica, Hong-Kong, Ilhas Cayman, Ilhas Cook, Ilhas Marianas do Norte, Ilhas Marshall, Ilha Natal, Ilha Norfolk, Ilhas Salomão, Ilhas Turks e Caicos, Ilhas Virgens, Kiribati, Libéria, Malásia, Montserrat, Namíbia, Nauru, Nova Zelândia, Palau, Santa Lúcia, São Cristóvão e Névis, São Vicente e Granadinas, Trinidad e Tobago, Tuvalu e Zimbábue.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Casca Fina

    O título desta aula lembra-me o nome do livro de Richard Lleweliyn, “Como era Verde o meu Vale”.
    A dor é inerente à mísera condição humana.
    O dólar, não.
    Sure.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Manuel Fernandes

    Explicando fica mais fácil entender.
    Todas as palavras tem alguma origem.
    Quem já se preocupou em saber de onde vem essa palavra, aqui está uma bela explicação. Mas, se vc quer saber quanto vc, como brasileiro deve nessa moeda, aí é com os mais esotéricos dos dirigentes do Banco Central.
    Embora eu divide que eles saibam.

    Curtir