Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

Cometa, a ‘estrela cabeluda’

O histórico pouso de um módulo espacial no cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, quarta-feira, foi tão importante que fez do substantivo “cometa”, mais do que simplesmente a Palavra da Semana, uma possível Palavra do Ano. Existente em português desde 1344, segundo a datação do Houaiss, a palavra é herdeira, por meio do latim cometa, do grego kométes – […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 02h39 - Publicado em 14 nov 2014, 15h00

Rosetta-landing-twitter-size-598O histórico pouso de um módulo espacial no cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, quarta-feira, foi tão importante que fez do substantivo “cometa”, mais do que simplesmente a Palavra da Semana, uma possível Palavra do Ano.

Existente em português desde 1344, segundo a datação do Houaiss, a palavra é herdeira, por meio do latim cometa, do grego kométes – e é aqui, na origem, que está seu aspecto mais curioso.

Literalmente, o grego kométes queria dizer “cabeludo”. Cabeludo? Sim, o adjetivo entrou nessa história numa referência metafórica à cauda luminosa que o cometa arrasta, o que o tornaria semelhante a uma “estrela cabeluda” (aster kométes).

Com o tempo, como não é incomum acontecer, o adjetivo acabou dispensando o substantivo para fazer carreira solo.

Continua após a publicidade
Publicidade