Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A hora do ‘tchau’

Com termo importado do italiano, colunista se despede dos leitores depois de 240 ‘Palavras da semana’

Fig01-1edQuem não sabe que a interjeição de despedida mais usada no português brasileiro, “tchau”, veio do italiano ciao – uma palavra ambivalente que, em sua língua original, pode ser empregada tanto com o sentido de “olá” quanto com o de “adeus”?

Consta que essa importação se deu no início do século XX, com possível influência da forma chau usada no espanhol sul-americano: a grafia aportuguesada “tchau” data de algum momento em torno de 1925, segundo o Houaiss – que curiosamente, contrariando seus padrões, não fornece a fonte dessa informação.

Se é famoso o parentesco de tchau com ciao, muito menos conhecida – na verdade, praticamente secreta – é a relação direta que existe no italiano entre as palavras ciao e schiavo, isto é, “tchau” e “escravo”. Ciao vem a ser uma variação dialetal de schiavo surgida no Norte da Itália.

A palavra schiavo não é mais nem menos pesada do que o português “escravo” e o inglês slave, entre outros termos da mesma família que se espalharam pelas línguas ocidentais. Todos derivam, naquilo que uma sensibilidade contemporânea classificaria como o mais alto grau da incorreção política, do latim medieval slavus, sclavus. Trata-se da mesma origem do termo “eslavo”, nome genérico dos habitantes da Europa central e oriental que os povos germânicos escravizaram maciçamente na Idade Média.

Sendo assim, como foi que o termo schiavo, com suas conotações sombrias, veio a se tornar uma saudação jovial e despreocupada em italiano? O que à primeira vista não faz o menor sentido é na verdade de solução simples: ciao é o produto final de uma série de abreviações efetuadas na expressão de cortesia sono suo schiavo (“sou seu escravo”), equivalente à nossa formula “sou seu criado”.

*

Com este texto publicado aqui em 2012, este “seu criado” começa a se despedir dos leitores. Depois de mais de cinco anos, esta (a 241.a) é a última Palavra da semana, seção de sexta-feira de Sobre Palavras. A coluna será atualizada pela última vez na próxima quarta-feira, mas o arquivo continuará no ar em VEJA.com para quem quiser consultar seus mais de 1.200 posts.

Agradeço a todos pela leitura e em especial aos que, coautores da obra, contribuíram para o sucesso da coluna com suas dúvidas e sugestões. Foi um privilégio dividir este espaço com vocês. Deixo um convite para que continuemos em contato por meio de meu site pessoal sobre o português brasileiro, o Melhor dizendo, e de sua página no Facebook. Espero encontrá-los por lá. Até breve!

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Luis

    Inacreditável! Não há outra forma de começar este comentário.
    Primeiro, porque estava exatamente me preparando para te perguntar sobre esta saudação. Dias atrás estive na Itália e, pelo menos até onde percebi, usavam o Ciao mais para “olá” que para “adeus”. E justamente por isso ia questionar se o ciao deles tinha algo a ver com o nosso tchau. Dúvida dissolvida.
    Segundo, porque sua coluna fará falta. Sou leitor assíduo. Inclusive enviei perguntas algumas vezes, as quais foram prontamente respondidas.
    Boa sorte nas novas empreitadas. E pode contar comigo como leitor do “Melhor dizendo”.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Sérgio Rodrigues

    Caro Luis, que boa coincidência, nada como uma dúvida que se desfaz antes de ser formulada! Fico feliz de saber que você continuará na área. Um abraço e obrigado pela leitura.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Nelson Oliveira

    Esta coluna vai fazer falta! Obrigado por tê-la mantido por este tempo.

    Curtir

  4. Comentado por:

    Sergio

    A notícia de sua despedida conseguiu ser pior do que as notícias de nossa política! Desejo-lhe sucesso em novos mares… Tchau!

    Curtir

  5. Comentado por:

    Maria Luiza Rodrigues

    Puxa vida! Por que as coisas boas não ficam? Vou sentir muita falta desta coluna tão útil a todos nós. Claro que serei leitora do “Melhor dizendo”. Tudo de bom pra você, Sergio.

    Curtir

  6. Comentado por:

    Sérgio Rodrigues

    Nos vemos por lá então, Maria Luiza. Apareça e convide os amigos! Grande abraço.

    Curtir

  7. Comentado por:

    Sérgio Rodrigues

    Obrigado, xará. Passa lá no Melhor dizendo. Um abraço!

    Curtir

  8. Comentado por:

    Mario

    A situação do País tirou meu foco de primores e prazeres.
    Obrigado pelo Sobre Palavras e até o Melhor Dizendo.

    Curtir

  9. Comentado por:

    Júlio César Caires Leal

    Que pena, Sérgio! Seu blogue aqui em VEJA foi um dos meus melhores achados na internet. Lamento que se encerre aqui, mas vou continuar a lê-lo no ”Melhor Dizendo” e onde quer que esteja a escrever. Desejo-lhe todo o sucesso deste mundo, e parabéns por estes mais de 1200 postes (que li quase todos)!!!

    Curtir